Sobre protagonistas empreendedores nas salas de aula, ou uma leitura crítica de termos neoliberais na educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32930/nuances.v34i00.10105

Palavras-chave:

Educação, Neoliberalismo, Protagonismo

Resumo

Este texto, escrito na forma de um ensaio, problematiza o uso dos termos protagonismo e empreendedorismo na educação. Argumenta-se que esses conceitos remetem a princípios neoliberais que, ao serem incorporados na educação, a reduzem a processos que servem à manutenção do status quo, normalizando a educação utilitarista e competitiva. Dessa maneira, apresenta-se a necessidade de se rejeitar as ideias de protagonistas empreendedores na educação. Em seu lugar, propõe-se a cooperação e a inclusão vital de emoções positivas na educação, as quais a sociedade pretere em nome da autorresponsabilização de cada um pelos seus próprios sucessos ou fracassos, indistintamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Fortunato, Instituto Federal de São Paulo

Professor EBTT na Coordenadoria de Formação Pedagógica.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018.

FERRETTI, C. et al. Protagonismo juvenil na literatura especializada e na reforma do ensino médio. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 122, p. 411-423, 2004. DOI: 10.1590/S0100-15742004000200007.

FIOREZE, C. et al. Um documento para chamar de nosso: refletindo o protagonismo estudantil a partir da experiência de uma universidade comunitária. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 27, n. 03, p. 695-713, 2022. DOI: 10.1590/S1414-40772022000300016.

FORTUNATO, I. et al. Educação Decolonial Planetária em três aforismos. EduSer, Bragança, v. 1, n. 1, p. 1-11, 2022. DOI: 10.34620/eduser.v1i1.219.

FORTUNATO, I. Educação e o tempo presente: menos carpe diem, mais alegria na escola. Quaestio, Sorocaba, v. 23, n. 1, p. 199-209, 2021. DOI: 10.22483/2177-5796.2021v23n1p199-209.

FORTUNATO, I.; PORTO, M. do R. S. Das inspirações de A. S. Neill ao centenário de Summerhill: liberdade, autogoverno e felicidade. Revista História da Educação, São Leopoldo, v. 27, e125048, 2023. DOI: 10.1590/2236-3459/125048.

FRANTZ, W. Educação e cooperação: práticas que se relacionam. Sociologias, Porto Alegre, v. 3, n. 6, p. 242-264, 2001. DOI: 10.1590/S1517-45222001000200011.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

MARRACH, S. A. Neoliberalismo e educação. In: SILVA JR., C. A. et al. (org.). Infância, educação e neoliberalismo. São Paulo: Cortez, 1996. p. 42-56

RODRÍGUEZ, M. E.; FORTUNATO, I. Males de la psique en la educación: urgencia en el re-ligar del pensamiento. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 3, p. 1754-1774, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i3.15195.

SILVA, F. V. da; MOURA, T. S. de; BRUNET, P. D. de M. Sob a bandeira neoliberal: Exame de propostas para a educação em postagens de candidatos do partido novo no Instagram. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 34, e023003, 2023. DOI: 10.32930/nuances.v34i00.9779.

SOUZA, H. C. O Empreendedorismo e suas principais vertentes teóricas: uma visão crítica. Revista Estudos e Pesquisas em Administração, Rondonópolis, v. 7, n. 1, p. 71-98, 2023. DOI: 10.30781/repad.v7i1.14558.

VICENTIN, M.; DA SILVEIRA, C. R. Projeto de vida do Programa Ensino Integral: Protagonismo neoliberal. Revista Interedu, Osorno, v. 5, n. 11, p. 11-39, 2021. DOI: 10.32735/S2735-65232021000596.

Publicado

04-10-2023

Como Citar

FORTUNATO, I. Sobre protagonistas empreendedores nas salas de aula, ou uma leitura crítica de termos neoliberais na educação. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 34, n. 00, p. e023007, 2023. DOI: 10.32930/nuances.v34i00.10105. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/10105. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos Publicação Contínua

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)