Sob a bandeira neoliberal

Exame de propostas para a educação em postagens de candidatos do partido novo no Instagram

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32930/nuances.v34i00.9779

Palavras-chave:

Discurso político, Educação, Neoliberalismo

Resumo

O intuito deste artigo consiste em examinar propostas para a educação de candidatos do partido Novo, a partir da análise do discurso de postagens publicadas no Instagram. Visa-se, com isso, investigar como essas propostas ancoram-se em relações de saber e de poder, as quais encontram-se atreladas à racionalidade neoliberal. Para isso, o foco de análise repousa sobre quatro postagens veiculadas no perfil do Instagram de candidatos do Partido Novo. O estudo segue uma abordagem descritivo-interpretativa de viés qualitativo. A fim de subsidiar as análises, valem-se das teorizações de Foucault (2008; 2009; 2010), de Dardot e Laval (2016) e de Laval (2004) e Sargentini (2015; 2017). O exame das propostas permite identificar as implicações da racionalidade neoliberal, a partir da priorização do mercado e do setor privado, por meio de práticas como a premiação dos “melhores” alunos e professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Vieira da Silva, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Docente do Departamento de Linguagens e Ciências Humanas (DLCH).

Thâmara Soares de Moura, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL).

Patrícia Diógenes de Melo Brunet, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do estado da Paraíba

Docente do IFPB. Mestra em Ensino pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

Referências

BARZOTTO, C. E.; SEFFNER, F. Escola sem partido e sem gênero: redefinição das fronteiras entre público e privado na educação, Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 29, n. 58, p. 150-167, abr./jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nº9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho -CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, DF: MEC, 2017a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 13 nov. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=85121-bncc-ensino-medio&category_slug=abril-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 05 fev. 2020.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. Tradução: Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELEUZE, G. Pós-scriputm sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, G. Conversações. Tradução: Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 2006. p. 219-226.

FARIA, T.; TURTELLI, C. Novo é o partido cresceu 154% desde 2018, Uol, [s. l.], 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2020/02/27/partido-novo-cresceu-154-desde-2018.htm. Acesso em: 06 jan. 2020.

FONSECA, M. A. Michel Foucault e a constituição do sujeito. 3. ed. São Paulo: EDUC, 2011.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: RABINOW, P.; DREYFUS, H. Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução: Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-250.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução: Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

FOUCAULT. M. Ditos e Escritos IV: Estratégia, Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 25. ed. Tradução: Roberto Machado. São Paulo: Graal Edições, 2008a.

FOUCAULT, M. O nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France: (1978-1979). Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população: curso dado no no Collège de France: (1977-1978). Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008c.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

GRANDO, P. H. Propostas para a educação. Cuiabá. 01 nov. 2020. Instagram: @paulohgrando. Disponível em: https://www.instagram.com/paulohgrando/. Acesso em: 08 jan. 2021.

GREGOLIN, M. R. Michel Foucault: uma teoria crítica que entrelaça o discurso, a verdade e a subjetividade. In: FERREIRA, R.; RAJAGOPALAN, K. (org.). Um Mapa da Crítica nos Estudos da Linguagem e do Discurso. Campinas, SP: Pontes, 2016, v. 1. p. 115-142.

GUIMARÃES, K. C.; PEREIRA, M. C. Neoliberalismo e fascismo: o paradigma perverso do bolsonarismo, Revista Eletrônica de Interações Sociais, v. 4, n. 1, p. 30-47, 2020. Disponível em: https://periodicos.furg.br/reis/article/view/11813. Acesso em: 15 jan. 2020.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neo-liberalismo como ataque ao ensino público. Trad. Maria Luiza M. de Carvalho e Silva. Londrina, PR: Editora Planta, 2004.

MAROUN, C. Propostas para a educação. Recife. 18 out. 2020. Instagram: @charbelmarounbr. Disponível em: https://www.instagram.com/charbelmarounbr/. Acesso em: 09 jan. 2021.

MARQUES, F. P. J. Ciberpolítica: conceitos e experiências. Salvador: Editora da UFBA, 2016.

NOVO. Conheça o Novo. [s. l.], [21--]. Disponível em: https://novo.org.br/novo/conheca/. Acesso em: 06 jan. 2021.

OLIVEIRA, G. Novo é o partido que mais cresce nas eleições. Istoé, [s. l.], 2020. Disponível em: https://istoe.com.br/novo-e-partido-que-mais-cresce-nas-eleicoes/. Acesso em: 06 jan. 2020.

ROLNIK, S. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 edições, 2018.

SARGENTINI, M. V. O. Apresentação. In: SARGENTINI, M. V. O. (org.). Mutações do discurso político no Brasil: espetáculo, poder e tecnologias de comunicação. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2017, p. 11-20.

SARGENTINI, M. V. O. Discurso Político e redes sociais, Revista da ABRALIN, Curitiba, v. 14, p. 215-232, 2015.

SCARPANTINI, G. Como zerar a fila de creches? Campo Grande. 07 nov. 2020. Instagram: @gutoscarpantini. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CHazYMsBzam/. Acesso em: 08 jan. 2021.

SEFFNER, F. Disputas de narrativas em gêneros e sexualidades nas fronteiras entre cultura escolar, famílias e religiões. In: SILVA, F. F.; BONETTI, A. L. (org.). Gênero, diferença e direitos humanos: é preciso esperançar em tempos hostis. Florianópolis: Tribo da Ilha, 2020. p. 11-30.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SILVA NETO, O. Dia 15 é dia de escolher... Florianópolis. 3 nov. 2020. Instagram: @orlandosilvanovo. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CHIguZOg6ds/. Acesso em: 09 jan. 2021.

VEIGA-NETO, A. Neoliberalismo e educação: os desafios do precariado. In: RESENDE, H. (org.). Michel Foucault: a arte neoliberal de governar a educação. São Paulo: Intermeios, 2018. p. 33-44.

Publicado

09-06-2023

Como Citar

SILVA, F. V. da; MOURA, T. S. de; BRUNET, P. D. de M. Sob a bandeira neoliberal: Exame de propostas para a educação em postagens de candidatos do partido novo no Instagram. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 34, n. 00, p. e023003, 2023. DOI: 10.32930/nuances.v34i00.9779. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/9779. Acesso em: 29 nov. 2023.

Edição

Seção

Artigos Publicação Contínua