ANÁLISE DAS MUDANÇAS NO USO DA TERRA DO CÓRREGO SANTA FÉ, MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AO LONGO DE QUATRO DÉCADAS E DOS IMPACTOS SOBRE SUAS ÁGUAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33081/formacao.v29i54.8447

Resumo

A microbacia é a unidade que sofre mais diretamente as alterações ocorridas na cobertura do solo devido à ação antrópica, fato comum nas últimas décadas em várias regiões de nosso país. Verifica-se a partir de observações in loco na maioria das microbacias urbanas brasileiras que as mesmas têm falhas nos quesitos planejamento, manejo e monitoramento das formas de ocupação do espaço, o que acaba por potencializar impactos como remoção da cobertura vegetal nativa, diminuição da infiltração e aumento do escoamento superficial da água. Estes processos resultam em episódios de inundações, alagamentos e deslizamentos de encostas que ampliam os riscos de prejuízos financeiros e de perda de vidas humanas. Neste contexto, este trabalho teve por objetivo identificar as mudanças nos usos da terra na microbacia do Córrego Santa Fé, localizada no distrito Anhanguera na cidade de São Paulo na UGRHI 6 (Unidade de Gerenciamento dos Recursos Hídricos – 6) entre os anos de 1983 e 2018. Para tal, foram utilizadas técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento. Verificou-se que as alterações ocorridas na área ao longo do período estudado afetou direta e indiretamente os corpos hídricos presentes na microbacia e o ciclo hidrológico superficial regional, influenciando nas condições ambientais e na qualidade de vida da população residente na área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Luís Piroli, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho

Engenheiro Florestal, Mestre em Engenharia Agrícola, na Área de Concentração em Sensoriamento Remoto, pela UFSM, Doutor em Agronomia na Área de Concentração em Energia na Agricultura, na Linha de Pesquisa Planejamento do Uso do Solo, Estudo do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, pela UNESP. Livre Docente em Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento pela UNESP. Professor Associado da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, no curso de graduação em Geografia, no Campus de Ourinhos e no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP de Presidente Prudente. Publicou dezenas de artigos em periódicos especializados e diversos trabalhos científicos em anais de eventos. Possui vários itens de produção técnica. Participou de dezenas de eventos no Brasil e no exterior. Orientou mais de cem trabalhos de iniciação científica, de conclusão de curso, de especialização, de mestrado e de doutorado nas áreas de sensoriamento remoto, geoprocessamento, manejo de bacias hidrográficas, recursos florestais, turismo e gestão ambiental. Orienta alunos de graduação, especialização, mestrado, doutorado e pós-doutorado. Recebeu 10 prêmios e/ou homenagens. Participou de mais de cento e cinquenta bancas de Trabalhos de Conclusão de Curso em diferentes níveis acadêmicos. Tem livros e capítulos de livro publicados. Participou de diversas bancas de comissões julgadoras. Atua nas áreas de manejo, planejamento e gestão ambiental, de bacias e microbacias hidrográficas e áreas de preservação permanente (APP), com ênfase na aplicação do Sensoriamento Remoto como fonte de dados e do Geoprocessamento como técnica de análise. Foi coordenador do curso de Turismo com Ênfase em Meio Ambiente e Vice Coordenador Executivo do Campus Experimental da UNESP de Rosana entre julho de 2007 e dezembro de 2008. Foi Vice Coordenador Executivo do Campus Experimental da UNESP de Ourinhos com mandato entre março de 2013 e março de 2017. Atualmente é o Coordenador Executivo deste Câmpus da UNESP com mandato até março de 2021. No ano de 2015 foi o Presidente Associado do Fórum de Vice-Diretores da UNESP e em 2016, presidente deste Fórum. Em suas atividades profissionais interagiu com mais de trezentos colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos e atividades correlatas. Participou de um projeto temático e de um projeto de políticas públicas financiados pela FAPESP. Coordenou o Projeto Regular "Análise do uso da terra nas áreas de preservação permanente do rio Pardo usando geoprocessamento, e avaliação dos impactos deste uso sobre os recursos naturais destas áreas", também financiado pela FAPESP, além de orientar diversos projetos de Iniciação Científica com bolsas concedidas pela FAPESP e CNPq. Coordenou projeto MES/Cuba financiado pela CAPES que envolveu quatro pesquisadores cubanos e brasileiros e quatro doutorados sanduíche de alunos dos dois países. Atualmente coordena o projeto Mudanças no uso da terra em microbacias hidrográficas e impactos nos recursos naturais e na população humana, financiado pela FAPESP. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, uso da terra,Microbacia Hidrográfica, bacia hidrográfica, Áreas de Preservação Permanente, Idrisi, Sistemas de Informações Geográficas, agricultura de precisão, Áreas Naturais, Gestão Ambiental e Conservação da natureza.

Ana Luísa Melo Antones de Ávila, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho

Estudante do último ano de Geografia. Bolsista FAPESP no Projeto de Iniciação Científica: ANÁLISE DAS MUDANÇAS NO USO DA TERRA EM CINCO DÉCADAS NA MICROBACIA DO CÓRREGO SANTA FÉ, MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E IMPACTOS SOBRE A ÁGUA. Processo n.: 2018/26301-0.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil: Informe 2014 - Encarte especial sobre a crise hídrica, Brasília, 30 p., 2015.

CALIL, Pérola M. et al. Caracterização geomorfométrica e do uso do solo da Bacia Hidrográfica do Alto Meia Ponte, Goiás. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 16, n. 4, p. 433-442, 2012.

CARNEIRO, Celso Dal Ré. Os primórdios da mineração no Brasil In: Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília: DNPM, 2002. pág. 511 e 515 CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1980.

COUTINHO, Luciano Melo et al. Usos da Terra e Áreas de Preservação Permanente (APP) na Bacia do Rio da Prata, Castelo-ES. Floresta e Ambiente, [s.l.], p.425-434, 2013. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.4322/floram.2013.043.

DOUROJEANNI, Axel; JOURAVLEV, Andrei. Gestión de cuencas y ríos vinculados concentros urbanos. NU. CEPAL. División de Recursos Naturales e Infraestructura, Santiago, 16 de diciembre de 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Manuais Técnicos em Geociências, número 7 – Manual técnico de uso da terra. 3ª ed. Rio de Janeiro, 2013.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação. 7. ed. Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983[1969]. Título original: Extención o Comunicación?

JACOBI, P. R.; CIBIM, J. C.; SOUZA, A. N. Crise da água na Região Metropolitana de São Paulo – 2013- 2015. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 19, n. 3, p. 422-444, mês. 2016.

ISSN 2179-0892. Disponível em: URL: http://www.revistas.usp.br/geousp/ article/view/104114 DOI: http://dx.doi.org/10.11606/ issn.2179-0892.geousp.2015.104114.

JENSEN, John R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Tradução: José Carlos Neves Epiphanio. [et.al.]. São José dos Campos: Parêntese, 2009.

KUINCHTNER, Angélica et al. V SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA I ENCONTRO SUL •AMERICANO DE GEOMORFOLOGIA, 2004, Santa Maria. Adequação do Uso e Ocupação do Solo Urbano em função da Declividade de Vertentes, em Santa Maria/RS. Santa Maria: Ufsm, 2004. 13 p. Disponível em:

http://lsie.unb.br/ugb/sinageo/5/6/Angelica%20Kuinchtner.pdf. Acesso em: 27 ago. 2020.

LUIZ, Vanzela S. et al. Influence of land use and occupation on water resources of the Três Barras stream (Marinópolis, SP, Brazil). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 14, n. 1, p.55-64, jan. 2010.

MARTIRANI, Laura Alves; PERES, Isabela Kojin. Water crisis in São Paulo: news coverage, public perception and the right to information. Ambiente & Sociedade, [S.L.], v. 19, n. 1, p. 1-20, mar. 2016. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1809-

asoc150111r1v1912016.

MOSCA, Andreia Arruda de Oliveira. In: MOSCA, Andreia Arruda de Oliveira. Caracterização Hidrológica de Duas Microbacias Visando a Identificação de Indicadores Hidrológicos para o Monitoramento Ambiental do Manejo de Florestas Plantadas. 2003. Dissertação (Recursos Florestais, Área de Concentração: Conservação em Ecossistemas Florestais), Piracicaba, 2003. p. 96. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde20082003-170146/publico/andreia.pdf. Acesso em: 25 ago. 2020.

NETO, J. C. C. A crise hídrica no estado de São Paulo. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 19, n. 3, p. 479-484, mês. 2016. ISSN 2179-0892. Disponível em: URL:

http://www.revistas.usp.br/ geousp/article/view/101113. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2015.101113.

PEREIRA, Sandra de Castro. Os loteamentos clandestinos no distrito do Jaraguá (SP): moradia e especulação. 2005. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

PIROLI, Edson Luís. Água: por uma nova relação. Jundiaí: Paco editorial, 2016.

PIROLI, Edson Luís. Geoprocessamento aplicado ao estudo do uso da terra das áreas de preservação permanente dos corpos d´água da bacia hidrográfica do rio Pardo. 150 f. Tese (Livre Docência) - Câmpus de Ourinhos, Universidade Estadual Paulista, Ourinhos, 2013.

ROSA, Roberto. Introdução ao Sensoriamento Remoto. Uberlândia: Edufu, 2013. 136 p.

ROSS, Jurandyr Luciano Sanches; MOROZ, Isabel Cristina. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. 1993. Disponível em:

<http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/53703/57666>

SÃO PAULO. Prefeitura Regional de Perus. Prefeitura de São Paulo. Relatório de Gestão: 1ºSemestre/2017. 2017. Disponível em:

<https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/upload/perus/acesso_a_informacao/Primeiro%20Semestre%202017.pdf>

SANTOS, Eduardo H. M. dos; GRIEBELER, Nori P.; OLIVEIRA, Luiz F. C. de. Relação entre uso do solo e comportamento hidrológico na Bacia Hidrográfica do Ribeirão João Leite. Revista Brasleira de Engenharia Agrícola e Ambiental, [S.L.], v. 14, n. 8, p. 826-834, 2010. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1415-43662010000800006.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

SCHUMM, Stanley A.. EVOLUTION OF DRAINAGE SYSTEMS AND SLOPES IN BADLANDS AT PERTH AMBOY, NEW JERSEY. Geological Society Of America Bulletin, [S.L.], v. 67, n. 5, p. 597-646, 195 6. Geological Society of America. http://dx.doi.org/10.1130/0016-7606(1956)67[597:eodsas]2.0.co;2.

TEODORO, Valter Luiz Iost et al. O conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local. Revista Brasileira Multidisciplinar, v. 11, n. 1, p. 137-156, 2007.

TONELLO, Kelly Cristina. Análise Hidroambiental da Bacia Hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães, MG. 2005. 69 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciência Florestal, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2005.

TRAJANO, SRR da S. et al. Análise Morfométrica de Bacia Hidrográfica: Subsídio à Gestão Territorial Estudo de Caso no Alto e Médio Mamanguape. Embrapa Gestão TerritorialBoletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E), 2012.

TUNDISI, José Galizia. Novas perspectivas para a gestão de recursos hídricos. Revista USP, São Paulo, n.70, p. 24-35, jun./ago. 2006.

TUCCI, C. E. M. Inundações urbanas. Porto Alegre: ABRH/RHAMA, 2007. Universidade Federal da Bahia (UFB). Departamento de Hidráulica e Saneamento. Bacia Hidrográfica. [2005]. 10 p. Apostila. Disponível em:

<http://www.grh.ufba.br/download/2005.2/Apostila(cap2).pdf>. Acesso em: 25 ago. 2020.

Downloads

Publicado

2022-08-02

Como Citar

Piroli, E. L., & de Ávila, A. L. M. A. (2022). ANÁLISE DAS MUDANÇAS NO USO DA TERRA DO CÓRREGO SANTA FÉ, MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AO LONGO DE QUATRO DÉCADAS E DOS IMPACTOS SOBRE SUAS ÁGUAS. Formação (Online), 29(54), 253–273. https://doi.org/10.33081/formacao.v29i54.8447

Edição

Seção

Artigos