Caracterização geoambiental do município de Caxias, Maranhão/Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35416/geoatos.2022.8897

Resumo

O presente estudo tem como objetivo realizar uma caracterização geoambiental do município de Caxias, Leste Maranhense, Nordeste Brasileiro. Metodologicamente, foram adotadas etapas de campo e de gabinete, instrumentalizadas principalmente por câmera fotográfica, aparelho de GPS, e utilização do software QGIS (versão 2.18.18) para manipulação de dados primários e secundários. No munícipio foi verificado que há uma carência de estudos sobre essa envergadura na escala municipal, ao passo que existem investigações similares sobre sub-bacias hidrográficas e o núcleo urbano. Contudo, em alguns estudos foram observadas informações contraditórias acerca das características do quadro natural, talvez relacionado à investigação pontual do quadro natural e dos elementos que compõem a paisagem. Os resultados da investigação apontam que Caxias está inserido em uma zona de transição, justificando a presença de variados tipos de formações geológicas, e sua influência para as características geomorfológicas e pedológicas, e, destas, para a distribuição das tipologias de cobertura vegetal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Barbosa Pereira, Instituto Federal do Piauí (IFPI), campus Teresina Central

Aluna do Programa de Mestrado em Análise e Planejamento Espacial e do curso de especialização em Geoprocessamento: fundamentos e aplicações (IFPI). Graduada em Geografia Licenciatura pela Universidade Estadual do Maranhão, campus Caxias em 2019.2. Atuou como professora de Geografia no Aulão do ENEM no (CESC/UEMA) em 2019. Trabalhou como professora de Geografia (2019) e no setor pedagógico (2020) no Colégio Militar Tiradentes IV. Atualmente é bolsista com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Pesquisadora no grupo em Geomorfologia, Análise Ambiental e Educação da UFPI (GAAE) e Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do IFPI (MANDES). Faz parte da Comissão da Assessoria de Gestão Ambiental - AGA do CESC/UEMA. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase nas áreas: Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, Monitoramento Ambiental, Espaço Urbano e Ensino da Geografia.

Hikaro Kayo de Brito Nunes, Universidade do Estado do Amazonas

Aluno do curso de Doutorado em Geografia (2020-atual) pela Universidade Estadual do Ceará - UECE, Mestre em Geografia (2016-2017) pela Universidade Federal do Piauí - UFPI, Especialização em Educação Especial Inclusiva (2020-2021) pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI) e Graduado em Licenciatura Plena em Geografia (2012-2015) pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI/Campus Poeta Torquato Neto. Membro do Núcleo de Estudos em Geografia Física da UESPI (NEGEO/UESPI) e do grupo de pesquisa Geomorfologia, Análise Ambiental e Educação da UFPI (GAAE/UFPI). Desenvolve a docência atualmente como Professor Assistente A (40h) da Universidade do Estado do Amazonas (UEA/CEST) na área de "Geografia Física e Ensino de Geografia". Tem experiência na área de Geografia, com estudos relacionados às seguintes áreas: Geomorfologia, Espaço Urbano, Vulnerabilidades, Análise Geoambiental, Tecnógeno e Educação Geográfica. Sócio Honorário do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí (IHG/PI) e membro associado à Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB/Seção Tefé).

Adriano da Silva Sousa, Universidade Estadual do Maranhão

Graduado em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), campus Caxias. Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Extensão (PIBEX), por meio do qual desenvolveu o seguinte projeto: Introdução ao Geoprocessamento com Software Livre Qgis. Premiado como Jovem Extensionista. Desenvolve pesquisas na área de formação de professores e o ensino de Geografia na Educação Básica e Superior.

Referências

ABREU, F. W. R.; BARBOSA, G. M. Caracterização geoambiental do maciço úmido de Maranguape - Ceará: um estudo preliminar. Revista de Geociências do Nordeste, v. 2, p. 681-690, 2016.

ALCÂNTARA, E.H. Caracterização da bacia hidrográfica do rio Itapecuru, Maranhão, Brasil. Caminhos de Geografia, v. 7, n. 11, p. 97-113, 2004.

ANJOS, A. O. A.; CARVALHO, M. E. S. C. Zoneamento Geoambiental do município de Barrocas/BA: contribuições para o ordenamento territorial. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 13, n. 4, p. 1700-1719, 2020. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.4.p1700-1719.

ARAI, M. A grande elevação eustática do mioceno e sua influência na origem do grupo barreiras. Geologia USP. Série Científica, v. 6, n. 2, p. 1-6, 2006.

ARAÚJO, F. A. S. Geomorfologia aplicada à fragilidade e ao zoneamento ambiental de Caxias/MA. 2012. 185 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós -Graduação em Geografia. Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus Presidente Prudente, 2012.

BANDEIRA, I.C.N. Geodiversidade: Adequabilidade/potencialidades e limitações frente ao uso e ocupação. In: BANDEIRA, I.C.N. Geodiversidade do estado do Maranhão. Teresina: CPRM, 2013.

CAPUTO, M.V.; IANNUZZI, R.; FONSECA, V.M.M. da. Bacias sedimentares brasileiras: Bacia do Parnaíba. FUNDAÇÃO PALEONTOLÓGICA PHOENIX: ARACAJU – SE, n.81, p. 1-6, 2005.

CARVALHO, A.T.F. Caracterização climática da quadra chuvosa de município do semiárido brasileiro, entre os anos de 2013 a 2017. Revista Geografia em Atos, v. 2, n. 17, p. 4-23, 2020.

CAXIAS. Lei de Divisão de Bairros nº 1.838/2009, de 31 de dezembro de 2009. Dispõe sobre a criação e a divisão dos bairros da cidade de Caxias – MA, com estabelecimento de novos limites, e dá outras providências. Prefeitura Municipal de Caxias, 2010.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1980.

CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Blucher, 1999.

CLAUDINO-SALES, V. Geografia, Sistemas e Análise Ambiental: Abordagem Crítica. GEOUSP: Espaço e Tempo, v. 8, n. 2, p. 125-141, 2004. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2004.73959.

CODEVASF. Plano Nascente Itapecuru: plano de preservação e recuperação de nascentes da bacia hidrográfica do rio Itapecuru. Brasília: Codevasf, 2019.

CORREIA FILHO, F. L. Projeto Avaliação de Depósitos Minerais para Construção Civil PI/MA. Teresina: CPRM, 1997.

CORREIA FILHO, F. L. Projeto Cadastro de Fontes de Abastecimento por Água Subterrânea, estado do Maranhão: relatório diagnóstico do município de Caxias. Teresina: CPRM - Serviço Geológico do Brasil, 2011.

EMBRAPA SOLOS. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA/ SOLOS. Mapa de solos de Caxias. Recife, 2006.

EMBRAPA SOLOS. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA/ SOLOS. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2013.

EMBRAPA SOLOS. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA/ SOLOS. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2018.

ESPÍRITO-SANTO, M. M.; FAGUNDES, M.; NUNES, Y. R. F.; FERNANDES, G. W.; AZOFEIFA, G. A. S.; QUESADA, M. Bases para a conservação e uso sustentável das florestas estacionais deciduais brasileiras: a necessidade de estudos multidisciplinares. Revista Unimontes Científica, v. 8, n. 1, 2006.

FEITOSA, A. C.; ALMEIDA, E. P. A degradação ambiental do rio Itapecuru na sede do município de Codó-MA. Cadernos de Pesquisas, São Luís, v. 13, n. 1, p. 31-45, 2002.

FERREIRA, R. V.; DANTAS, M. E. Relevo. In: PFALTZGRAFF, P. A. S.; TORRES, F. S. M; BRANDÃO, R. L. (Orgs.). Geodiversidade do estado do Piauí. Recife: CPRM, 2010.

GEPLAN. GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Atlas do Maranhão. São Luís: UEMA/ GEPLAN, 2002.

GÓES, A. M. A Formação Poti (Carbonífero Inferior) da Bacia do Parnaíba. 1995. 171 f. Tese - Universidade de São Paulo, Instituto de Geociências, São Paulo, 1995.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Banco de Informações Ambientais. Disponível em: <https://bdiaweb.ibge.gov.br/#/consulta/geologia>. Acesso em 25 mai. 2020.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Banco de Informações Ambientais. Disponível em:<https://bdiaweb.ibge.gov.br/#/consulta/pedologia>. Acesso em 29 de mai. de 2020

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Banco de Informações Ambientais. Disponível em:<https://bdiaweb.ibge.gov.br/#/consulta/solos>. Acesso em 01 de jun. de 2020.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2013.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias. Rio de Janeiro, 2017.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual Técnico de Pedologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Diretoria de Geociências. IBGE, 2007.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Zoneamento geoambiental do Estado do Maranhão: diretrizes gerais para a ordenação territorial. Salvador. IBGE, 1997.

JACOMINE, P. K. T. (Coord.). Levantamento exploratório-reconhecimento de solos do Estado do Maranhão. Rio de Janeiro: Embrapa-SNLCS/SUDENE-DRN, 1986.

LIMA, E. A. M.; BRANDÃO, R. L. Geologia. In: PFALTZGRAFF, P. A. S.; TORRES, F. S. M; BRANDÃO, R. L. (Orgs.). Geodiversidade do estado do Piauí. Recife: CPRM, 2010.

LIMA, E.A.M.; LEITE, J.F. Projeto estudo global dos recursos minerais da bacia sedimentar do Parnaíba: integração geológico-metalogenética. Relatório final, etapa III. Belém: DNPM/CPRM, 1978.

LOPES, E.C.S.; TEIXEIRA, S.G. Contexto geológico. In: BANDEIRA, I.C.N. Geodiversidade do estado do Maranhão. Teresina: CPRM, 2013.

MARANHÃO. Governo do Estado. Bacias hidrográficas e climatologia no Maranhão. São Luís, MA: UEMA/NUGEO, 2016.

MOREIRA, F.S.A.; DIAS, G.F.M.; VITORINO, M.I.; SILVA, J.C.C.; HOLANDA, B.S. Caracterização da urbanização e seu impacto nas variáveis socioambientais: Guamá e Nazaré em Belém, Pará. InterEspaço, v.5, n.17, p.01-27, 2019.

MOURA-FÉ, M.M. Barreiras: série, grupo ou formação?. Revista Brasileira de Geografia Física, v.7, n.6, p.1055-1061, 2014.

NASCIMENTO, F. C. A.; BRAGA, C.C; ARAÚJO, F.R. C. D. Análise estatística dos eventos secos e chuvosos de precipitação do Estado do Maranhão. Revista Brasileira de Metereologia, v. 32, n. 3, p. 375-386, 2017.

NASCIMENTO, F. R.; SAMPAIO, J. L. F. Geografia Física, Geossistemas e Estudos Integrados da Paisagem. Revista da Casa da Geografia de Sobral (RCGS), v. 6, n. 1, p. 167-179, 2005.

SANTOS, F. A. Diagnóstico ambiental a partir da declividade, erosividade, erodibilidade e o Índice SAVI no semiárido piauiense: estudo de caso no município de Juazeiro do Piauí. Geografia (Londrina), v. 28, n. 2, p. 27, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2019v28n2p27.

SILVA, C. H. S.; LIMA, I. M. M. F. Litoral do estado do Piauí: proposta de compartimentação. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 21, n. 1, p. 17-32, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v21i1.1459.

SILVA, K. B.; AMORIM, R. R.; MATTOS, J. B. Aspectos físicos da Bacia Hidrográfica do Rio Salitre: uma contribuição para estudos de Geossistemas. Acta Geográfica, v. 12, n. 29, p. 33-45, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.5654/acta.v12i29.4432.

SOUZA, A. C. D.; SILVA, S. D. R.; SILVA, J. P.; DINIZ, M. T. M. Identificação e Delimitação de Unidades de Paisagem do Município de Baía Formosa (RN). Revista Brasileira de Geografia Física, v. 12, n. 7, p. 2629-2644, 2019. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p2629-2644.

SOUZA, M. J. N. Compartimentação geoambiental do Ceará. In: SILVA, José Borzachiello da; CAVALCANTE, Tércia Correia; DANTAS, Eustógio Wanderley Correia (Orgs.). Ceará: Um novo Olhar Geográfico. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2005.

SUERTEGARAY, D. M. A. Geografia Física e Geomorfologia: uma releitura. Porto Alegre: ComPasso, 2018.

Downloads

Publicado

2022-02-08

Como Citar

Pereira, P. B., Nunes, H. K. de B., & Sousa, A. da S. (2022). Caracterização geoambiental do município de Caxias, Maranhão/Brasil. Geografia Em Atos (Online), 6, 1–19. https://doi.org/10.35416/geoatos.2022.8897

Edição

Seção

Artigos