Gênero em espacialidades geográficas: trajetórias e coetaneidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35416/geoatos.v1i16.7341

Resumo

A ciência geográfica debruça-se sobre estudos de relações entre a sociedade e o espaço. Por muito tempo as análises ambientais e econômicas se sobrepuseram a outros temas que também conduzem as dinâmicas espaciais. Ao longo de sua consolidação enquanto ciência, a Geografia experimentou diferentes fases, alinhadas a distintas correntes teóricas, métodos e metodologias, de acordo com o tempo e espaço de cada geógrafa(o) que se dedicou a construí-la. Somente a partir da década de 1970 (no contexto anglo-saxão) e 1980 (no contexto brasileiro) é que a geografia passou a incorporar o conceito de gênero em suas análises, evidenciando como a espacialidade era construída e vivida por homens e mulheres. Posteriormente, outras abordagens foram consideradas, tais como a sexualidade e a etnia e a raça. Esse processo foi importante no sentido de apresentar uma ciência menos androcêntrica, eurocêntrica e burguesa. Este artigo tem como objetivo, por meio de revisão bibliográfica, elucidar o processo de inserção destas temáticas na Geografia, pontuando ainda, mudanças em relação ao posicionamento de geógrafas(os) diante dos sujeitos que têm como objeto de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Araújo Coutinho de Paula, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), Presidente Prudente, São Paulo, Brasil

Doutoranda em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (FCT/UNESP) na linha Dinâmicas Agrárias, Políticas Públicas e Desenvolvimento Regional. Possui mestrado (2015) com período sanduíche na Universidad Autónoma Metropolitana (México); bacharelado (2012) e licenciatura (2011) pela mesma universidade. É integrante do Grupo de Estudos Dinâmica Regional e Agropecuária (GEDRA) e da Rede de Estudos de Geografia, Género e Sexualidade Ibero Latino-Americana (REGGSILA).

Mateus Fachin Pedroso, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), Presidente Prudente, São Paulo, Brasil

Mestrando em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP. Possui graduação em Licenciatura (2017) e Bacharelado (2018) em Geografia pela mesma universidade. É participante como pesquisador do CETAS (Centro de Estudos do Trabalho, Ambiente e Saúde), sendo atuante no Observatório de Geografia da Saúde pertencente ao Diretório Acadêmico do CNPQ, e também é membro do Laboratório de Biogeografia e Geografia da Saúde (BIOGEOS). Atualmente compõe enquanto membro a Rede de Estudos de Geografia, Gênero e Sexualidades Ibero Latino-Americana (REGGSILA).

Referências

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1960.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Trad. KÜHNER, M. H. 10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2011. 160 p.

BOURDIEU, P. O camponês e seu corpo. Rev. Sociologia Política, Curitiba, 26 p. 83-92, jun. 2006.

BUTLER, J. Cuerpos que inportan: sobre los limites materiales y discursos del “sexo”. 1° ed. Buenos Aires – Argentina, Paidós, 2002, 352 p.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. AGUIAR, R. 8° ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015, 287 p.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos feministas, n. 10, v. 1, p. 171-188, 2002.

CRENSHAW, K. Mapping the margins: Intersectionality, identity politics, and the violence against women of color. Stanford Law Review, 43, 1241-1259, 1993.

DEMO, P. Dialética, Conhecimento, Democracia. Rev. de Educação Ética, CEE, Rio de Janeiro, v. 1, n.1- março, p. 39-47, 2002.

GOUVEIA, T. CAMURÇA, S. O que é gênero? 4ed. Gênero e Cidadania e DED-SACTES, 2004.

GUTERRES, S. B. Classe social e gênero: elementos para uma controvérsia. 2001. 130 f. (Mestrado em Sociologia) – Universidade de Campinas, Departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Campinas.

MONK, J.; HANSON, S. Não excluam metade da humanidade da geografia humana. In SILVA, J. M; ORNAT, M. J; CHIMIN JUNIOR, A. B. (Orgs) Geografias feministas e das sexualidades: encontros e diferença. Toda Palavra, Ponta Grossa, 2016.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n. 5, p. 7-41, 1995.

hooks, b. Feminist theory: from margin to center. Boston: South End, 1984, 174 p.

HOPKINS, P. Feminist geographies and intersectionality. Gender, Place & Culture, v. 25, n.4, p. 585–590, 2018.

LOURO, G. L. Nas redes do conceito de gênero. In: LOPES, M. J. M; MEYER, D. E; WALDOW, V. R. (orgs.). Gênero e saúde. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1996.

MARRE, J. A. L. A construção do objeto científico na investigação empírica. Cascavel: Seminário de Pesquisa do Oeste do Paraná – UNIOESTE, 1991. (Digitado).

MASSEY, D. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Trad. MACIEL, H. P; HAESBAERT, R. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008, 312 p.

MASSEY, D. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, A. A. O espaço da diferença. Campinas-SP: Papirus, 2000. P. 176-185.

McCALL, L. The complexity of intersectionality. Signs, v. 30, n. 3, p. 1771-1800, 2005.

MINAYO, M. C. S.; DELANDES, S. F; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

NOGUÉ, J; ROMERO, J. Las otras geografías. Valencia: Editorial Tirant lo Blanch, col. Crónica, 2006, 557 p.

OLIVEIRA, P. S. Caminhos de construção da pesquisa em ciências humanas. In:_____. (Org.). Metodologia das ciências humanas. 1 ed. São Paulo: Hucitec / UNESP, 1998, v. 1, p. 17-26.

PAULA, L. A. C. As margaridas seguem o caminho, do campo às ruas, das ruas ao campo: a mulher rural e sua trajetória de luta por reconhecimento e direitos. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n. 41, v. 3, Dossiê “Geografias interseccionais: gênero, raça, corpos e sexualidades” p. 100-121, jul-dez, 2019.

PEDROSO, M. F. Situacionalidade e Interpretações: Quantas Geografias Cabem em uma Vida?. Rev. Latino Americana de Geografia e Gênero, v. 10, n. 2, p. 66-78, 2019.

PEDROSO, M. F; SILVA, J. M; ORNAT, M. J; CHIMIN JUNIOR, A. B; CESAR, T. R. A. O; PINTO, V. A. M; SILVA, E. A. Mulheres na construção do pensamento geográfico? Um encontro entre a AGB – PP ‘Bertha Becker’ e Joseli Maria Silva. Terra Livre, v. 1, n. 52, p. 18-61, jan.-jun./2019.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

ROSE, G. Feminism & Geography. The limits of Geographical Knowledge. Cambridge: Polity Press, 1993.

SAFFIOTI, H. I. B. A Mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1976, 384 p.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004, 151 p.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20. Porto Alegre, 1995. p. 5-22.

SILVA, J. M. Um ensaio sobre as potencialidades do uso do conceito de gênero na análise geográfica. Rev. de História Regional, v. 8, n. 1, p. 31-45, 2003.

SILVA, J. M. Geografias feministas, sexualidades e corporalidades: desafios às práticas investigativas da ciência geográfica. In:______. (Org.). Geografias subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009.

SILVA, J. M; NABOZNY, A.; ORNAT, M. J. A visibilidade e a invisibilidade feminina na pesquisa geográfica: uma questão de escolhas metodológicas. In: SILVA, J. M; ORNAT, M. J; CHIMIM JUNIOR, A. B. (Org.). Espaço, gênero e feminilidades ibero-americanas. Editora Toda Palavra, Ponta Grossa, 2011.

SILVA, J. M; ORNAT, M. J. Corpo como espaço: um desafio a imaginação geográfica. In: PIRES, C. L. Z; HEIDRICH, Á. L; COSTA, B. P. Plurilocalidade dos sujeitos: representações e ações no território. Porto Alegre: Compasso Lugar-Cultura, 2016. p. 56-75.

SILVA, S. M. V. Geografia e gênero/Geografia e feminismo – o que é isto? Boletim Gaúcho de Geografia, n. 23, p. 105-110, 1998.

VALENTINE, G. Theorizing and researching intersectionality: A challenge for Feminist Geography. Professional Geographer, v. 59, n. 1, p. 10-21, 2007.

WINKIN, Y. Descer ao campo. In: ______. A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. Campinas: Papirus, 1998. p. 129 – 145.

ZUSMAN, P. La tradición del trabajo de campo em Geografía. Geograficando, v. 7, n. 7, p. 15-32, 2011.

Downloads

Publicado

2020-02-28

Como Citar

DE PAULA, L. A. C.; PEDROSO, M. F. Gênero em espacialidades geográficas: trajetórias e coetaneidade. Geografia em Atos (Online), Presidente Prudente, v. 1, n. 16, p. 5–19, 2020. DOI: 10.35416/geoatos.v1i16.7341. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/geografiaematos/article/view/7341. Acesso em: 22 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)