Processos erosivos urbanos e a qualidade dos corpos hídricos em Buriticupu, Maranhão

Autores

  • Marcelino Silva Farias Filho Universidade Federal do Maranhão
  • Larissa Thaís Dos Santos de Macedo Universidade Federal do Maranhão
  • Adriano de Lima Santos Universidade Federal do Maranhão
  • Augusto Antônio Carvalho Campos Universidade Estadual do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.35416/geoatos.v2i9.6344

Resumo

A erosão do solo e a poluição hídrica são graves problemas ambientais devem ser objeto de preocupação da sociedade como um todo. Em áreas propensas a esses eventos, como no caso de Buriticupu-MA, os fatores sociais necessitam ser controlados para que os danos deles oriundos sejam minimizados. O objetivo deste artigo foi o de analisar a dinâmica dos processos erosivos da cidade aludida e o consequente carreamento de sedimentos para os corpos hídricos. Utilizou-se como abordagem metodológica a Teoria Geossistêmica, adotando-se a pesquisa bibliográfica, a delimitação e caracterização da área de estudo, o mapeamento das principais voçorocas, a realização de visitas técnicas com entrevistas informais moradores, coletas e amostras de solos, registros fotográficos como procedimentos. Constatou-se que a cidade está assentada sobre solos de alta erodibilidade dada pelos elevados teores de silte e areia na sua composição granulométrica e os baixos teores de Al que dificultam a formação de estrutura nos solos, relevo ondulado e com médias pluviométricas anuais acima de 2000 mm, sendo fatores naturais determinantes na instabilidade da área. A ocupação desordenada e as deficiências de infraestrutura são catalisadores dos processos erosivos, uma vez que permitem a rápida intensificação destes. Os corpos hídricos apresentam trechos que já estão eutrofizados, estão soterrados por sedimentos e ou que já não possuem mais água corrente, dada a presença abundante de sedimentos e colonização por vegetação típica de ambiente eutrofizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelino Silva Farias Filho, Universidade Federal do Maranhão

Graduado em Geografia (Licenciatura) e Mestre em Agroecologia pela Universidade Estadual do Maranhão e graduado em História (Licenciatura) e em Geografia (Bacharelado) pela Universidade Federal do Maranhão. É doutor em Agronomia (Ciência do Solo) pela Universidade Estadual Paulista (campus de Jaboticabal). Atualmente é professor Adjunto II do Curso de Geografia da Universidade Federal do Maranhão, onde coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa em Edafologia e Pedologia. Atualmente, é professor do Curso de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Maranhão.

Larissa Thaís Dos Santos de Macedo, Universidade Federal do Maranhão

Aluna do Curso de Geografia, Bolsista de Iniciação científica e membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Edafologia e Pedologia.

Adriano de Lima Santos, Universidade Federal do Maranhão

Graduando do curso de Geografia Bracharel da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e pesquisador do Grupo de Estudos em Edafologia e Pedologia (GEPEPE). Bolsista de projeto de pesquisa de Variáveis ambientais do alto curso do rio Mearim e suas influências sobre a fertilidade dos solos, da água e da piscosidade em seu médio curso.

Augusto Antônio Carvalho Campos, Universidade Estadual do Maranhão

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal do Maranhão (2017). Mestrando em Geografia, Natureza e Dinâmica do Espaço pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Professor da rede municipal de São Luís-MA e do Centro de Ensino Upaon-Açu. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Pedologia e Edafologia (GEPEPE) e do Grupo de Pesquisa em Geomorfologia e Mapeamento (GEOMAP). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Física

Downloads

Publicado

2019-03-21

Como Citar

FARIAS FILHO, M. S.; DE MACEDO, L. T. D. S.; SANTOS, A. de L.; CARVALHO CAMPOS, A. A. Processos erosivos urbanos e a qualidade dos corpos hídricos em Buriticupu, Maranhão. Geografia em Atos (Online), Presidente Prudente, v. 2, n. 9, p. 44–56, 2019. DOI: 10.35416/geoatos.v2i9.6344. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/geografiaematos/article/view/6344. Acesso em: 19 jun. 2024.