Formação continuada e a realidade escolar: concepções docentes sobre o ensino científico inclusivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32930/nuances.v32i00.9117

Palavras-chave:

Educação inclusiva, Formação continuada de professores, Ciências e biologia

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo geral investigar se os docentes de Ciências e Biologia promovem a educação inclusiva e quais são os fatores que os auxiliam ou que os impedem de atuarem frente a essa realidade. A pesquisa caracteriza-se como qualitativa, de forma que a técnica de coleta de dados foi uma entrevista semiestruturada, com nove docentes de Ciências e Biologia. A análise dessas informações foi realizada seguindo os princípios de análise de conteúdo e os dados mostram que os professores reconhecem a urgência da oferta de cursos de formação continuada, os quais considerem as reais necessidades formativas provenientes da realidade escolar, especialmente em relação à inclusão escolar e ao ensino de Ciências e Biologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Picchi Salto, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestre em Educação Escolar.

Relma Urel Carbone Carneiro, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Doutora em Educação Especial.

Referências

AZEVEDO, M. A. R.; CUNHA, G. R. D. Gestão Escolar e Educação Inclusiva: uma parceria necessária e emergente na escola. Educação: teoria e prática, v. 19, n. 31, 2008.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BELEI, R. A. et al. O uso de entrevista, observação e videogravação em pesquisa qualitativa. Cadernos de Educação, Pelotas, n. 30, p. 187-199, 2008.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Lei de diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: DF, 12 ago. 1971. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-norma-pl.html. Acesso em: 10 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo escolar da educação básica 2016: notas estatísticas. Brasília, DF: MEC, INEP, 2017.

CAPELLINI, V. L. M. F; RODRIGUES, O. M. P. R. Concepções de professores acerca dos fatores que dificultam o processo da educação inclusiva. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 3, p. 355-364, 2009.

CARNEIRO, R. U. C. Educação especial e inclusão escolar: desafios da escola contemporânea. Cadernos de Pesquisa em Educação, Vitória, n. 43, 2016. DOI: https://doi.org/10.22535/cpe.v0i43.14309

CARVALHO, A. M. P.; PÉREZ, D. G. As Pesquisas em Ensino Influenciando a Formação de Professores. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 14, n. 4, p. 247-252, 1992.

FERREIRA, C. A. O papel da educação em Ciências e Tecnologia no Brasil: um debate. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 57, n. 4, 2005.

FREITAS, D.; VILLANI, A. Formação de professores de ciências: um desafio sem limites. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 7, n. 3, p. 215-230, 2002.

GALINDO, C. J.; INFORSATO, E. D. C. Formação continuada de professores: impasses, contextos e perspectivas. Revista online de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 20, n. 3, 2016. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v20.n3.9755

GATTI, B. A. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, n. 100, p. 33-46, 2014. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i100p33-46

GUHUR, M. D. L. P. Dialética inclusão-exclusão. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 9, n. 1, 2003.

HEREDERO, E. S. A escola inclusiva e estratégias para fazer frente a ela: as adaptações curriculares. Acta Scientiarum Education, v. 32, n. 2, p. 193-208, 2010. DOI: https://doi.org/10.4025/actascieduc.v32i2.9772

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

LABURÚ, C. E.; ARRUDA, S. M.; NARDI, R. Pluralismo metodológico no ensino de ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 247-260, 2003. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132003000200007

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F. D.; TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2003.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Ed. Moderna, 2003.

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. M. Currículo, conhecimento e cultura. In: ARROYO, M. G. (Org.). Indagações sobre o currículo do Ensino Fundamental. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

MOYSÉS, M. A. A. A institucionalização invisível: crianças que não aprendem na escola. 1998. Tese (Livre Docência) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

NEVES, J. L. Pesquisa Qualitativa – Características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 1, n. 3, 1996.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Educa: Lisboa, 2009.

PERRENOUD, P. A pedagogia na escola das diferenças: fragmentos de uma sociologia do fracasso. Porto Alegre: Artmed, 2001.

ROSA, P. R. S. Uma introdução à pesquisa qualitativa em Ensino de Ciências. Campo Grande: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2013. Disponível em: http://www.paulorosa.docente.ufms.br/Uma_Introducao_Pesquisa_Qualitativa_Ensino_Ciencias.pdf. Acesso em: 12 mar 2019.

SANT’ANA, I. M. Educação Inclusiva: Concepções de professores e diretores. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 227-234, 2005. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722005000200009.

VIECHENESKI, J. P.; CARLETTO, M. Por que e para quê ensinar Ciências para crianças. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, 3., 2012. Anais [...]. Ponta Grossa, PR, 2012.

Publicado

2021-12-21

Como Citar

SALTO, M. P.; CARNEIRO, R. U. C. Formação continuada e a realidade escolar: concepções docentes sobre o ensino científico inclusivo. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 32, n. 00, p. e021004, 2021. DOI: 10.32930/nuances.v32i00.9117. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/9117. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Publicação Contínua