Medicalização da infância: avanço ou retrocesso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32930/nuances.v31iesp.1.8289

Palavras-chave:

Medicalização da infância, Psicologia Histórico-Cultural, Desenvolvimento infantil, Linguagem escrita, Educação Escolar

Resumo

Na atualidade identificamos uma polêmica em torno do uso de medicamentos psicotrópicos em crianças cada vez menores, em virtude de supostos diagnósticos de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Por meio de uma pesquisa de campo, realizada em três municípios paranaenses, na rede pública municipal de Ensino, nos segmentos de Educação Infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental, foi possível verificar o percentual de crianças que fazem uso de medicamento controlado, qual o diagnóstico predominante e qual medicação mais prescrita. O diagnóstico predominante em ambos os segmentos foi o TDAH, na Educação Infantil o medicamento mais prescrito foi a Risperidona e no Ensino Fundamental foi a Ritalina. Problematiza-se os efeitos colaterais destes medicamentos e seu prejuízo para o desenvolvimento a partir das concepções da Psicologia Histórico-Cultural. Há uma correlação entre o aumento dos diagnósticos e das prescrições nas séries iniciais do Ensino Fundamental, que parece indicar a transformação das dificuldades inerentes à aquisição da linguagem escrita em supostos transtornos, que configura o quadro de medicalização da infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana de Fátima Franco, UEM/PR

Pós-doutorado em Educação Escolar pela UNESP-Araraquara, Doutorado em Psicologia da Educação/PUC-SP, docente da graduação e pós-graduação em Psicologia/UEM.

Fernando Wolff Mendonça, UEM/PR

Doutorado em  Educação/UEM-PR, docente da graduação em Educação e pós-graduação em Psicologia/UEM.

Silvana Calvo Tuleski, UEM/PR

Pós-doutorado e doutorado em Educação Escolar pela UNESP-Araraquara, Mestrado em Fundamentos da Educação/UEM, docente da graduação e pós-graduação em Psicologia/UEM.

Referências

ALMEIDA, M. R. de, GOMES, R. M. Medicalização social e educação: contribuições da teoria da determinação social do processo saúde-doença. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 25, n. 1, p. 155-175, jan./abr. 2014. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/2728

ANGELL, M. A epidemia de doença mental. Revista Piauí. n. 59, p.1-14, 2012. Disponível em: http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-59/questoes-medico-farmacologicas/a-epidemia-de-doenca-mental. Acesso em 29 de janeiro de 2014.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. SNGPC Resultados 2009. 2010. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/sngpc/relatorio_2009.pdf. Acesso em 21 de Outubro de 2015.

BOARINI, M. L.; BORGES, R. F. Hiperatividade, higiene mental, psicotrópicos: enigmas da caixa de Pandora. Maringá: EDUEM, 2009.

BOARINI, M. L. Unidades Básicas de Saúde: uma extensão da escola pública? Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Tese de Doutorado não publicada. 1993.

BONADIO, R. A. A. Problemas de atenção: implicações do diagnóstico de TDAH na prática pedagógica. 2013. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Maringá.

BRASIL, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa – INEP- Avaliação Nacional de Alfabetização, 2013-2014, Brasília – DF. 2015.

BRASIL, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa – INEP- Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, Brasília – DF. 2015

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota Técnica Nota TécnicaN° 194/2012/NUT/ CODAJUD/ CONJUR NUT/ CODAJUD/ CONJUR NUT/ CODAJUD/ CONJUR-MS. Disponível em: http://u.saude.gov.br/images/pdf/2014/setembro/17/Risperidona.pdf . Acesso em 21 de Outubro de 2015.

BRUM, E. O Doping das Crianças. Revista Época. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/eliane-brum/noticia/2013/02/o-doping-das-criancas.html . Recuperado em 29 de janeiro de 2014.

COLLARES, C. A. L; MOYSÉS, M. A. A. O lado escuro da dislexia e do TDAH. In: FACCI, M. G. D; MEIRA, M.; TULESKI, S. C. A exclusão dos “incluídos”: uma crítica da psicologia da Educação a patologização e medicalização dos processos educativos. Maringá: EDUEM, 2011. p. 133-196.

DANGIÓ, M. C. S. A alfabetização sob o enfoque histórico-crítico: contribuições didáticas.2017. 356f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) - Faculdade de Ciência e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2017.

DAVIDOV, V. Problems of Developmental Teaching: the experience of theoretical and experimental psychological research. Soviet Education, New York, v. XXX, n. 8, 1988.

EIDT, N. M.; FERRACIOLI, M. U. O ensino escolar e o desenvolvimento da atenção e da vontade: superando a concepção organicista do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). In: ARCE, Alessandra e MARTINS; Lígia Márcia (Orgs). Quem tem medo de ensinar na Educação Infantil? Em defesa do ato de ensinar. Campinas: Editora Átomo e Alínea, 2007, p. 93-124.

EIDT, N. M., TULESKI, S. C., FRANCO, A. F. Atenção não nasce pronta: o desenvolvimento da atenção voluntária como alternativa à medicalização. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 25, n. 1, p. 78-96, jan./abr. 2014. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/2759

GARBER, M. Patologia de mercado. 2006. Disponível em: <http://www.forumadd.com.ar/documentos/a9.pdf>. Acesso em: 20de março de 2007.

GUARRIDO, J. A crítica à medicalização da aprendizagem na produção acadêmica nacional. Dissertação de mestrado. UNICAMP: programa de Pós-graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, 2011.

IBGE, 2018. https://ces.ibge.gov.br/base-de-dados/metadados/inep/sistema-nacional-de-avaliacao-da-educacao-basica-saeb.html.

ISAÍAS, M. Hiperactividad: una advertencia sobre la medicalización de niños. Diario La Capital. Argentina, supl. Educación, 2007. Disponível em: <http://www.forumadd.com.ar/documentos/a16.htm>. Acesso em 23 de março de 2007.

KAISER, M.; Geração Ritalina. Falta de atenção virou doença. O nome? TDAH. A suposta solução? Um remédio tarja preta. Revista TRIP. 2011. p. 1-6. Disponível em: http://revistatrip.uol.com.br/revista/203/reportagens/geracao-ritalina.html Recuperado em 29 de janeiro de 2014.

LEITE, M.; COLLUCCI, C. A era da desatenção. Somos todos hiperativos? São Paulo, domingo, 30 de maio de 2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/il3005201004.htm. Recuperado em 29 de janeiro de 2014.

LEITE, H. A., REBELLO, M. P. O desenvolvimento da atenção como objeto de estudo: contribuições do enfoque histórico-cultural. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 25, n. 1, p. 59-77, jan./abr. 2014. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/2729

LEONTIEV, A. N. O Desenvolvimento do Psiquismo. Lisboa: Livros Horizontes, 1978.

LEVING, B. E. Um controle psiquiátrico da dissidência?. 2012. Disponível em: <http://www.outraspalavras.net/2012/02/25/um-controle-psiquiatrico-da-dissidencia/>. Acessado em: 21 de julho de 2012.

LICITRA, J. Generación Pastilla. Diario Crítica de la Argentina. 15 de março de 2009. Buenos Aires, Argentina. Disponível em: <http://www.forumadd.com.ar/documentos/a42.htm>. Acesso em 20 de abril de 2011.

MACHADO, A. M. Reinventando a avaliação psicológica. Tese de Doutorado.

MARTINS, L. M. A Formação Social da Personalidade do professor: Um enfoque vigotskiano. Autores Associados, Campinas, 2007.

MARTINS, Ligia Marcia; MARSIGLIA, A. C. G.; As perspectivas construtivista e histórico-crítica sobre o desenvolvimento da escrita. Campinas: Autores Associados. 2015 (Coleção Educação Contemporânea).

MARX, K., ENGELS, F. A Ideologia alemã. Editora Hucitec: São Paulo 1999.

MEC, 2018 http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/65791-ministro-da-educacao-anuncia-mudancas-no-sistema-de-avaliacao-a-partir-de-2019

MEIRA, M. E. M. Incluir para continuar excluindo: a produção da exclusão na educação brasileira à luz da Psicologia Histórico-Cultural. In: FACCI, M. G. D; MEIRA, M.; TULESKI, S. C. A exclusão dos “incluídos”: contradição da sociedade contemporânea. Maringá: EDUEM, 2011, p. 91-132.

MENDONÇA, F. W. A organização da atividade de ensino como processo formativo do professor alfabetizador: contribuições da teoria histórico-cultural. Curitiba: CRV Editora, 2018.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. O lado escuro da dislexia e do TDAH. In: MEIRA, M. E. M.; TULESKI, S.; FACCI, M. G. D. (Orgs.). A exclusão dos incluídos: Contribuições da Psicologia da Educação para uma crítica à Patologização e à Medicalização. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011, p. 133-196.

NIERO, B. C. O diagnóstico e o uso de medicamento controlado em crianças da Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino Fundamental: Uma análise de um município do interior do Paraná. 152f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR.

OLIVEIRA, T. F. M. Manifestações de Professoras sobre as escolhas metodológicas para alfabetização em escolas da rede do município de São Paulo. In: XVIII ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 2014, Fortaleza. XVIII ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 2014.

ORTEGA, F. et al. A Ritalina no Brasil: produções, discursos e práticas. Interface. Botucatu, v.14, n.34, p. 499-512, Jul./Set. 2010.

PORTO, K. M., MARTINS, L. M. Formação de sistemas conceituais e o desenvolvimento do pensamento: implicações para a educação escolar. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 29, n.3, p.4-22, Set./Dez., 2018. ISSN: 2236-0441. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/6057

RODRIGUES, M. F.; KUENZER, A. Z. As diretrizes curriculares para o curso de pedagogia: uma expressão da epistemologia da prática. Ponta Grosa: Olhar de Professor, 2007.

SAVIANI, D. O conceito dialético de mediação na pedagogia histórico-crítica em intermediação com a psicologia histórico-cultural. Germinal: Marxismo e educação em debate. V.7 n.1 p. 26-43, Salvador – junho/ 2015.

SCHWARZ, A. UOL Educação. Para ajudar na escola, médicos prescrevem remédios até a quem não tem deficit de atenção. 2012. Disponível em: http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/10/13/para-ajudar-na-escola-medicos-prescrevem-remedios-ate-a-quem-nao-tem-deficit-de-atencao.htm. Recuperado em 29 de janeiro de 2014.

SEGATTO, C.; PADILHA, I.; FRUTUOSO, S. Remédios demais? Revista Época. São Paulo, n.446, p.108-115, 4 dez. 2006.

SILVA, Marcelo Lira. Bioética & Educação: quando o fundamento da civilização encontra-se no estímulo ao vício. Seção Dossiê. Aurora, Marília, v. 5, p. 37-54, 2012. Edição Especial.

SOUZA, M. P. R de. A queixa na formação de psicólogos: desafios e perspectivas. In: TANAMACHI, E.; ROCHA, M. L. da; PROENÇA, M. (Orgs.). Psicologia e educação: desafios teóricos-práticos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000. p.105-142.

SOUZA, M. P. R de. Retornando à patologia para justificar a não aprendizagem escolar: a medicalização e o diagnóstico de transtornos de aprendizagem em tempos de neoliberalismo. In: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo e Grupo Interinstitucional Queixa Escolar. (Org.). Medicalização de Crianças e Adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais à doença de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011, v. 1, p. 57-68.

TARROSO, M. J., ALMEIDA, J., LONTRO, R., MARQUES, C., MIGUEL, T. S., E, LOBO, C., et al. (2010). Os efeitos da risperidona nos níveis de prolactina numa amostra de crianças e adolescentes com autismo. Acta Pediatrica Portuguesa, 41(3),111-116.

VIGOTSKI, L. S. Obras Escogidas: Tomo III. Madri: Visor, 2000.

WEDGE, M. Por que as crianças francesas não têm Deficit de Atenção? Disponível em: http://equilibrando.me/2013/05/16/por-que-as-criancas-francesas-nao-tem-deficit-de-atencao/comment-page-2/. Recuperado em 29 de janeiro de 2014.

Downloads

Publicado

01-12-2020

Como Citar

FRANCO, A. de F.; MENDONÇA, F. W.; TULESKI, S. C. Medicalização da infância: avanço ou retrocesso. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 31, n. esp.1, p. 38–59, 2020. DOI: 10.32930/nuances.v31iesp.1.8289. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/8289. Acesso em: 19 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)