REDEFINIÇÕES DO MERCADO DE TRABALHO NA PERSPECTIVA DA DINÂMICA GEOGRÁFICA DA DESTERRITORIALIZAÇÃO E RETERRITORIALIZAÇÃO DAS TRABALHADORAS DOMÉSTICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE

Silvia Correia

Resumo


O estudo das relações de trabalho tem como objeto de estudo as empregadas domésticas que trabalham nos condomínios fechados da cidade de Presidente Prudente/SP. Intencionamos focar se os descumprimentos da legislação, os mecanismos próprios de controle utilizados pelos patrões com efeitos nas rotinas e no próprio processo de trabalho no âmbito doméstico, estão promovendo redefinições no mercado de trabalho ou na dinâmica geográfica (desterritorialização-reterritorialização) das trabalhadoras domésticas em âmbito local/regional. Para entender o processo de D-T-R (desterritorialização, territorialização, reterritorialização), que significa o movimento de formação do território, é necessário compreender quem delimita e controla o espaço. No atual período do capitalismo é preciso compreender a serviço de quem e para quem ocorre o processo de desterritorialização, por que este processo da perspectiva-econômica muito mais ligado aos processos de expropriação, precarização e exclusão que estão inseridos na lógica de acumulação capitalista, que rege a classe trabalhadora que está cada vez mais submetida ao trabalho degradante.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formação.v2i15.617

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio