Uma região que obedece? Alguns elementos para pensar o planejamento regional na Amazônia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35416/2024.9346

Resumo

A compreensão de dinâmicas hegemônicas e contra-hegemônicas que configuram a noção de região no plano geográfico constitui tarefa central deste artigo. À luz da teoria miltoniana, toma-se a realidade amazônica como exemplo de reflexão e, com base em levantamento bibliográfico e documental, considera-se tanto as desarticulações decorrentes dos chamados “grandes objetos” quanto as articulações produzidas pelo que estamos denominando como “objetos de grandeza cidadã”. Desta maneira, para além do economicismo abstrato que tem caracterizado e mesmo definido formas e conteúdos na atualidade, salienta-se a pertinência de se pensar o fenômeno regional a partir da pluralidade de existências e de divisões do trabalho inerentes ao espaço amazônico, com a possibilidade, inclusive, de sugerir a existência de uma “região do desobedecer” a partir da potencialização dos saberes e das lutas políticas dos povos da floresta; subsídios estes de grande importância para se contestar a lógica desenvolvimentista perversa e mesmo se pensar um outro planejamento regional para a Amazônia contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helbert Michel Pampolha de Oliveira, Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará

Doutorando em Desenvolvimento Socioambiental pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará

Referências

ANTAS JUNIOR, R. M. Território e regulação: espaço geográfico, fonte material e não-formal do direito. São Paulo: Associação Editorial Humanitas/FAPESP, 2005. 248 p.

ARROYO, M. Milton Santos: uma teoria para pensar e construir o futuro. In: SILVA, M. A.; TOLEDO JUNIOR, R. (org.). Milton Santos: o homem e sua obra. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 187-197.

BARGAS, J. K. R.; CARDOSO, L. F. C. Cartografia social e organização política das comunidades remanescentes de quilombos de Salvaterra, Marajó, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 10, n. 2, p. 469-488, maio/ago. 2015.

BRASIL. Ministério da Economia. O que é o PAC? Ministério da Economia, Brasília, DF, 2015. Disponível em: encurtador.com.br/jkEP7. Acesso em: 04 mar. 2019.

BRASIL. Ministério do Planejamento. PAC 7º balanço 2015-2018: cartilha regional Pará. Brasília, DF: Ministério do Planejamento, 2018. 130 p. Disponível em: http://www.pac.gov.br/sobre-o-pac/publicacoesregionais Acesso em: 04 mar. 2019.

BRITO, T. M. A. Região: leituras possíveis de Milton Santos. 2007. 164 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

BRITO, T. M. A. A metamorfose do conceito de região: leituras de Milton Santos. GEOgraphia, Niterói, v. 10, n. 20, p. 74-105, 2008.

BRUM, E. Bolsonaro quer entregar a Amazônia. EL PAÍS Brasil, São Paulo, nov. 2018. Política. Disponível em: encurtador.com.br/fBKMN. Acesso em: 08 mar. 2020.

CASTRO, E. M. R.; ACEVEDO MARIN, R. E. Amazônia oriental: territorialidade e meio ambiente. In: LAVINAS, L.; CARLEIAL, L. M. F.; NABUCO, M. R. (org.). Reestruturação do espaço urbano e regional no Brasil. São Paulo: ANPUR/Hucitec, 1993. p. 121-148.

CASTRO, I. E. A região como problema para Milton Santos. Scripta Nova, Barcelona, vol. VI, n. 124, p. 1-5, 2002.

CASTRO, F. F. As ameaças do governo Bolsonaro à Amazônia. ALICE News, Coimbra, abr. 2019. Disponível em: encurtador.com.br/astBJ. Acesso em: 28. mar. 2021.

HÉBETTE, J. Apresentação. In: HÉBETTE, J. (org.). O cerco está se fechando: impactos do grande capital na Amazônia. Petrópolis, RJ: Vozes; Rio de Janeiro: FASE, 1991. p. 7-13.

HÉBETTE, J. Prefácio. In: CASTRO, E. M. R.; MOURA, E.; MAIA, M. L. S. (org.). Industrialização e grandes projetos: desorganização e reorganização do espaço. Belém: EDUFPA, 1995. Não paginado.

IFAM. Ensino. Instituto Federal do Amazonas, Manaus, 2020. Disponível em http://www2.ifam.edu.br/. Acesso em: 20 jul. 2020.

IFAP. Nossos cursos. Instituto Federal do Amapá, Macapá, 2020. Disponível em: http://www.ifap.edu.br/. Acesso em: 20 jul. 2020.

IFPA. Nossos cursos. Instituto Federal do Pará, Belém, 2020. Disponível em: https://www.ifpa.edu.br/ifpa_campi_square.html. Acesso em: 20 jul. 2020.

IFRR. Nossos cursos. Instituto Federal de Roraima. Boa Vista, 2020. Disponível em: http://www.ifrr.edu.br/. Acesso em: 20 jul. 2020.

LEITÃO, K. O. A dimensão territorial do Programa de Aceleração do Crescimento: um estudo sobre o PAC no estado do Pará e o lugar que ele reserva à Amazônia no desenvolvimento do país. 2009. 285 f. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

LUKÁCS, G. Introdução a uma estética marxista: sobre a categoria da particularidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 298 p.

MALHEIRO, B. C. P. Colonialismo interno e estado de exceção: a “emergência” da Amazônia dos grandes projetos. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 30, n. 60, p. 74-98, 2020.

MARTINS, J. S. A chegada do estranho. In: HÉBETTE, J. (org.). O cerco está se fechando: impactos do grande capital na Amazônia. Petrópolis, RJ: Vozes; Rio de Janeiro: FASE, 1991. p. 15-33.

NOVA CARTOGRAFIA SOCIAL DA AMAZÔNIA. Fascículos. Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, Manaus, fev. 2020. Publicações. Disponível em: http://novacartografiasocial.com.br/fasciculos/. Acesso em: 15 jul. 2020.

OLIVEIRA, F. Elegia para uma re(li)gião: Sudene, Nordeste e conflitos de classe. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993. 132 p.

OLIVEIRA, H. M. P. A noção de região em Milton Santos: contribuições para pensar a Amazônia. 2019. 287 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento) –Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2019.

OLIVEIRA, H. M. P. A noção de região na obra de Milton Santos: do espaço absoluto ao espaço relacional. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, Belém, v. 07, n. 02, p. 03-17, jul./dez. 2020.

PADINHA, M. R. Grandes objetos na Amazônia: das velhas lógicas hegemônicas às novas centralidades insurgentes, os impactos da hidrelétrica de Belo Monte às escalas da vida. 2017. 444 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2017.

PINTO, L. F. A desorganização do grande projeto. In: CASTRO, E. M. R.; MOURA, E.; MAIA, M. L. S. (org.). Industrialização e grandes projetos: desorganização e reorganização do espaço. Belém: EDUFPA, 1995. p. 47-58.

RICARDO, H. [Formação de professores indígenas]. Destinatário: [suprimido; nome do autor do texto]. Manaus, 29 maio 2019. 1 e-mail. Disponível em: suprimido; e-mail do autor do texto. Acesso em: 11 jul. 2020.

SANTOS, M. Organização social e organização do espaço: o caso de Rondônia. Boletim Carioca de Geografia, Rio de Janeiro, ano 33, p. 51-77, 1982.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 1987. 142 p.

SANTOS, M. Meio técnico-científico e urbanização: tendências e perspectivas. Resgate, Campinas, n. 3, p. 76-86, 1991.

SANTOS, M. A revolução tecnológica e o território: realidades e perspectivas. Terra Livre, São Paulo, n. 9, p. 7-17, jul./dez. 1992.

SANTOS, M. O retorno do território. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A.; SILVEIRA, M. L. (org.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 15-20.

SANTOS, M. Os grandes projetos: sistema de ação e dinâmica espacial. In: CASTRO, E. M. R.; MOURA, E.; MAIA, M. L. S. (org.). Industrialização e grandes projetos: desorganização e reorganização do espaço. Belém: EDUFPA, 1995. p. 13-20.

SANTOS, M. O território e o saber local: algumas categorias de análise. Cadernos IPPUR, Rio de Janeiro, ano XVIII, n. 2, p. 15-26, 1999.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000a. 174 p.

SANTOS, M. A universidade: da intencionalidade à universalidade. Anuário Estatístico de Geociências – UFRJ, Rio de Janeiro, v. 23, p. 13-15, 2000b.

SANTOS, M. O elogio da lentidão. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 mar. 2001. Seção + brasil 501 d.C. Disponível em: encurtador.com.br/hxHO9. Acesso em: 03 abr. 2020.

SANTOS, M. Região: globalização e identidade. In: LIMA, L. C. (org.). Conhecimento e reconhecimento: homenagem ao geógrafo cidadão do mundo. Fortaleza: EDUECE, 2003. p. 53-64.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 5. ed. São Paulo: EDUSP, 2004. 432 p.

SANTOS, M. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a geografia crítica. 6. ed. São Paulo: EDUSP, 2008. 288 p.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2012a. 392 p.

SANTOS, M. Pensando o espaço do homem. 5. ed. 3. São Paulo: EDUSP, 2012b. 96 p.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. 5. ed. 1 São Paulo: EDUSP, 2013. 176 p.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O ensino superior público e particular e o território brasileiro. Brasília: ABMES, 2000. 163 p.

SANTOS, M. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 17. ed. Rio de Janeiro: Record, 2012. 473 p.

SCHUBER, E. S. M. Neodesenvolvimentismo, reestruturação urbana e cidades médias na Amazônia: o exemplo de Itaituba na sub-região do Tapajós. 2019. 383 f. Tese (Doutorado em Ciências: Desenvolvimento Socioambiental) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2019.

SILVEIRA, M. L. Uma situação geográfica: do método à metodologia. Território, Rio de Janeiro, ano IV, n. 6, p. 21-28, jan./jun. 1999a.

SILVEIRA, M. L. Um país, uma região: fim de século e modernidades na Argentina. São Paulo: FAPESP/LABOPLAN-USP, 1999b. 486 p.

SILVEIRA, M. L. Os dinamismos da pobreza. In: CARLOS, A. F. A.; OLIVEIRA, A. U. (org.). Geografias de São Paulo: representação e crise da metrópole. São Paulo: Contexto, 2004. p. 59-70.

SILVEIRA, M. L. O lugar defronte os oligopólios. In: DANTAS, A.; TAVARES, M. T. A. (org.). Lugar-mundo: perversidades e solidariedades. Encontros com o pensamento de Milton Santos. Natal: EDUFRN, 2011. p. 79-100.

SIMONDON, G. Du mode d’existence des objets techniques. 5. ed. Paris: Aubier, 2001. 336 p.

TRINDADE JÚNIOR, S-C. C. Cidades na floresta: os “grandes objetos” como expressões do meio técnico-científico informacional na Amazônia. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 51, p. 113-137, mar./set. 2010.

TRINDADE JÚNIOR, S-C. C. Dos geografismos às geografizações: pensando a região e o regional a partir das “geografias do Sul”. Confins: revue franco-brésilienne de geographie, Paris, n. 44, mar. 2020. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/26814. Acesso em: 17 mar. 2020.

UEA. Ensino. Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2020. Disponível em: http://cursos2.uea.edu.br/index.php?dest=info&curso=87. Acesso em: 20 jul. 2020.

UEPA. Nossos cursos. Universidade do Estado do Pará, Belém, 2020. Disponível em: http://www.uepa.br/. Acesso em: 20 jul. 2020.

UFAC. Ensino. Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2020. Disponível em: https://www.uerr.edu.br/. Acesso em: 20 jul. 2020.

UFAM. Cursos por campus. Universidade Federal do Amazonas. Manaus, 2020. Disponível em: https://proeg.ufam.edu.br/formas-de-ingresso. Acesso em: 20 jul. 2020.

UFPA. Multicampi. Universidade Federal do Pará, Belém, 2020a. Disponível em: www.portal.ufpa.br/campi. Acesso em: 20 jul. 2020.

UFPA. Apresentação. Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável. Belém, 2020b. Disponível em: http://ppgaa.propesp.ufpa.br/index.php/br/programa/apresentacao. Acesso em: 22 jul. 2020.

UFRR. Ensino. Universidade Federal de Roraima. Boa Vista, 2020a. Disponível em: http://ufrr.br/. Acesso em: 19 jul. 2020.

UFRR. Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena. Universidade Federal de Roraima. Boa Vista, 2020b. Disponível em: http://ufrr.br/insikiran/index.php?option=com_content&view=article&id=60&Itemid=268. Acesso em: 19 jul. 2020.

UFRR. Licenciatura em Educação do Campo. Universidade Federal de Roraima. Boa Vista, 2020. Disponível em: http://ufrr.br/leducarr/index.php?option=com_content&view=article&id=40&Itemid=103. Acesso em: 19 jul. 2020.

UNIFAP. Graduação. Universidade Federal do Amapá. Macapá, 2020. Disponível em: http://www.unifap.br/public/. Acesso em: 17 jul. 2020.

UNIFESSPA. Ensino. Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Marabá, 2020. Disponível em: https://www.unifesspa.edu.br/. Acesso em: 22 jul. 2020.

UNIR. Graduação. Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho, 2020. Disponível em: http://www.graduacao.unir.br/. Acesso em: 22 jul. 2020.

XAVIER, M. Lugar, pluralidade da existência e democracia. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 506-521, set./dez. 2018.

Downloads

Publicado

2024-07-04

Como Citar

OLIVEIRA, H. M. P. de. Uma região que obedece? Alguns elementos para pensar o planejamento regional na Amazônia. Geografia em Atos (Online), Presidente Prudente, v. 8, n. 1, 2024. DOI: 10.35416/2024.9346. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/geografiaematos/article/view/9346. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos