Reestruturação capitalista, rede urbana, hierarquia urbana e a evolução do número de casos de Covid-19 na microrregião de Presidente Prudente-SP, Brasil

Autores

  • Laércio Yudi Watanabe Silva Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciências e Tecnologia - Campus de Presidente Prudente, Brasil https://orcid.org/0000-0001-8198-4440
  • Matheus Buttler de Oliveira Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciências e Tecnologia - Campus de Presidente Prudente, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5222-8857

DOI:

https://doi.org/10.35416/geoatos.2022.8794

Resumo

Após profundas transformações ocorridas no início da pós-modernidade, inovações tecnológicas e, em consequência, o aperfeiçoamento das redes surgiram como estratégias de fomento a circulação e aos fluxos. Dessa maneira, os diferentes territórios estão cada vez mais articulados e pautados na fluidez, constituindo redes urbanas cada vez mais densas e abrangentes. Este artigo investiga como a circulação inserida no âmbito da estruturação da rede urbana e sua consoante hierarquia urbana promovem a dispersão do número de casos de COVID-19 na microrregião de Presidente Prudente. Para tanto, uma revisão bibliográfica inicial foi realizada; a análise da dispersão do número de casos apoiou-se em dados retirados do Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados – SEADE, resultando em produções cartográficas que representam a quantidade de casos acumulados, em números absolutos e relativos, pelos municípios em cinco diferentes momentos: 01/05/2020, 01/08/2020, 01/11/2020, 01/02/2021 e 01/06/2021. A investigação permitiu inferir que a dispersão do número de casos se deu, sobretudo, em função da circulação promovida pelo papel da centralidade exercida pelos municípios mais importantes da hierarquia urbana da microrregião, segundo a Regiões de Influência das Cidades – REGIC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laércio Yudi Watanabe Silva, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciências e Tecnologia - Campus de Presidente Prudente, Brasil

Arquiteto e Urbanista. Graduando em Licenciatura em Geografia pela FCT-Unesp. Foi bolsista de Iniciação Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP (Processo n°: 2019/19765-3). Atualmente é mestrando em Geografia pela FCT-Unesp e bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq (Processo n°: 130340/2021-9).

Matheus Buttler de Oliveira, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciências e Tecnologia - Campus de Presidente Prudente, Brasil

Graduando em Licenciatura e Bacharelado em Geografia pela FCT-Unesp de Pres. Prudente. Foi bolsista TT2 pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo no projeto “MAPEAMENTO E ANÁLISE DO TERRITÓRIO DO AGROHIDRONEGÓCIO CANAVIEIRO NO PONTAL DO PARANAPANEMA-SÃO PAULO-BRASIL: Relações de trabalho, conflitos e formas de uso da terra e da água, e a saúde ambiental” (Processo: 2018/17015-4). Foi bolsista de IC pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo no projeto “TRABALHO E SAÚDE: A TRAJETÓRIA DOS BANCÁRIOS E SINDICALISTAS FRENTE AOS PROCESSOS DE ADOECIMENTO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE” (Processo: 2019/15983-6),  na qual estudou os impactos das transformações no mundo do trabalho sobre a saúde dos trabalhadores bancários.

Referências

BRENNER, Neil. Reestruturação, reescalonamento e a questão urbana. GEOUSP, São Paulo, n. 33, 2013, p. 198-220.

BRENNER, Neil. Teses sobre a urbanização. Revista eletrônica E-Metrópolis. Ano 5, n. 19, 2014, p.6-25.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

HARVEY, David. La construcción social del espacio y del tiempo: una teoría relacional. Geographical Review of Japan, v. 67, n. 2, p. 126-135, 1994.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Regiões de influência das cidades: 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101728.pdf. Acesso em: julho de 2021.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. Edusp, 2002.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. 5. Ed. São Paulo. Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

SOJA, Edward Willian. Postmodern geographies: The reassertion of space in critical social theory. Londres e Nova Iorque: Verso, 1989.

SOUZA, Andre Felix de. Os espaços públicos nas cidades contemporâneas: uma (re) visão. Geografares, n. 26, 2018. p. 182-213.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão; GUIMARÃES, Raul Borges. Por que a circulação de pessoas tem peso na difusão da pandemia. 26 mar. 2020. Disponível em: https://www2.unesp.br/portal#!/noticia/35626/por-que-a-circulacao-de-pessoas-tem-peso-na-difusao-da-pandemia. Acesso em: julho de 2020.

Downloads

Publicado

2022-01-17

Como Citar

Silva, L. Y. W., & Oliveira, M. B. de. (2022). Reestruturação capitalista, rede urbana, hierarquia urbana e a evolução do número de casos de Covid-19 na microrregião de Presidente Prudente-SP, Brasil. Geografia Em Atos (Online), 6, 1–25. https://doi.org/10.35416/geoatos.2022.8794

Edição

Seção

Artigos