Do território ao território usado: possibilidades entreabertas na ciência geográfica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35416/geoatos.2022.8630

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar uma discussão sobre as transformações teóricas e conceituais realizadas pelo conceito de território até a sua renovação proposta por Milton Santos (2000), na qual se desenvolve enquanto categoria capaz de realizar uma análise totalizante e a um só tempo, comporta uma crítica ao planejamento intersetorial que não contempla o espaço como instância social onde convivem e coexistem todos, tanto agentes hegemônicos quanto hegemonizados. Para a realização desta reflexão foi executado como procedimento metodológico o levantamento bibliográfico levando em consideração as principais contribuições para o desenvolvimento epistemológico do conceito de território no Brasil. Considera-se que a contribuição da categoria território usado de Santos (2000) resgata o papel ativo da Geografia como ciência capaz de propor projetos nacionais e fazer uma crítica contundente sobre as desigualdades socioespaciais, bem como subsidiar uma ação de planejamento que considere o espaço com sua diversidade de agentes coexistindo simultaneamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Henrique Oliveira de Jesus, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Mestre em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Licenciado em Geografia pelo Instituto Federal da Bahia (IFBA). 

José Wellington Carvalho Vilar, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS)

Professor Titular do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS) e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Referências

ARAÚJO, Markelly Fonseca de. As desigualdades socioespaciais e o planejamento territorial Potiguar em ação. Revista Políticas Públicas & Cidades, Belo Horizonte, v. 5, p. 23-41, 2017.

_________. Planejamento Territorial do Rio Grande do Norte: As desigualdades socioespaciais em ação. 2014. Dissertação (Mestrado em Geografia), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BADIE, Bertrand. O fim dos territórios. Ensaio sobre a desordem internacional e sobre a utilidade social do respeito. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

BERDOULAY, Vincent. A escola francesa de geografia: uma abordagem contextual. Editora Perspectiva: São Paulo, 2017.

CORRÊA, Roberto Lobato. Região e organização espacial. São Paulo: Editora Ática, 2000.

GOTTMAN, Jean. A evolução do conceito de território. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, vol. 2, nº 3, 2012, p. 523-545.

HAESBAERT, Rogério. O Mito da desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand, 2011.

___________. Regional-Global: Dilemas da Região e da Regionalização na Geografia Contemporânea. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

___________. Territórios alternativos. São Paulo: Contexto, 2006.

LENCIONI, Sandra. Região e geografia. São Paulo: Edusp, 1999.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Notas sobre identidade nacional e institucionalização da geografia no Brasil. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 166-176. jul./dez. 1991.

_________. Território e história no Brasil. São Paulo: Annablume, 2005.

_________. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Huitec; Edusp, 2007.

_________. Território na geografia de Milton Santos. São Paulo: Annablume, 2013.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SANTOS, Milton. O papel ativo da geografia: um manifesto. Revista Território, Rio de Janeiro, n. 9, 2000, p. 103-109.

SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova: da Crítica a Geografia a uma Geografia Crítica. São Paulo: Edusp, 2004.

________. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

________. Metamorfoses do espaço habitado. Fundamentos teórico e metodológico da geografia. Hucitec: São Paulo, 1988.

________. O dinheiro e o território. In: SANTOS, Milton et al. (Orgs.). Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007, p. 13- 21.

________. O retorno do territorio. IN: SANTOS, Milton et al. (Orgs.). Território. Globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1998, p. 15-20.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SANTOS, Rozely Ferreira dos. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

SAQUET, Marcos Aurelio; SILVA, Sueli Santos. Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território. Geo UERJ, Rio de Janeiro, ano 10, v. 2, n. 18, 2º semestre de 2008, p. 24-42.

SAQUET, Marcos Aurelio. Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SAUER, Carl Ortwin. A Morfologia da Paisagem. In.: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny. (org). Paisagem, Tempo e Cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998, p. 15-73.

SOUZA, Marcelo Lopes de. O TERRITÓRIO: SOBRE ESPAÇO E PODER, AUTONOMIA E DESENVOLVIMENTO. IN: CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CÔRREA, Roberto Lobato. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000, p. 77-116.

SOUZA, Maria Adélia Aparecida de. Milton Santos, um revolucionário. Observatório Social de América Latina, Buenos Aires, Ano 6, no. 16, 2005, p. 251-254.

VALE, Ana L. F.; SAQUET, Marcos A; SANTOS, Roseli A. O território: Diferentes abordagens e conceito-chave para a compreensão da migração. Revista Faz Ciência, Francisco Beltrão, v. 7, n.1, p. 11-26, 2005.

Downloads

Publicado

2022-03-22

Como Citar

Oliveira de Jesus, M. H., & Carvalho Vilar, J. W. (2022). Do território ao território usado: possibilidades entreabertas na ciência geográfica. Geografia Em Atos (Online), 6, 1–22. https://doi.org/10.35416/geoatos.2022.8630

Edição

Seção

Artigos