ÁREAS VERDES URBANAS, A IMAGEM, O MITO E A REALIDADE: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A CIDADE DE MARINGÁ/PR/BR

Marcos Clair Bovo, Margarete Cristiane da Costa Trindade Amorim

Resumo


Atualmente as cidades apresentam inúmeros problemas determinados pelo seu crescimento
acelerado, tais como a poluição do ar, das águas, a carência de infraestrutura básica, ausência de áreas verdes
e diminuição da qualidade de vida de seus citadinos. É neste contexto, que as áreas verdes urbanas são
fundamentais, pois agem purificando o ar, fixando material particulado, realizando fotossíntese e regulando a
umidade do ar. Além disso, mantém a permeabilidade, a fertilidade e a umidade do solo protegendo-o contra
a erosão e reduzindo os níveis de ruído. Também contribuem com funções, ecológicas – ambiental, estética,
paisagística, climáticas, defesa, psicológicas e também recreativas e de lazer. Desta forma a presente
pesquisa foi realizada no município de Maringá-PR/BR e teve como proposta discutir os interesses do poder
público em promover o ideário de cidade verde que sobrevive em Maringá baseada nas áreas verdes urbanas
existentes. Desta forma buscou-se investigar a ação do marketing “Maringá Cidade Verde”, seguido das
propagandas que veiculam na mídia, dos quais proporcionou o discurso promotor da imagem e da forma
urbana, dos projetos que estimulam a valorização imobiliária e, sobretudo a segregação urbana inerente ao
processo de expansão da cidade, reiterando o discurso voltado para o empreendimento empresarial.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formacao.v1i16.865

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio