ESTRATÉGIAS DE TERRITORIALIZAÇÃO DAS CORPORAÇÕES AGROEXTRATIVISTAS NA AMÉRICA LATINA: O CASO DA INDÚSTRIA DE CELULOSE NO BRASIL/Agro extractivist corporations territorial coverage strategies in Latin America: the cellulose industry case in Brazil

Guilherme Marini Perpetua, Markus Kröger, Antonio Thomaz Junior

Resumo


Este início de século marca a ascensão do Brasil ao posto de grande produtor de árvores de rápido crescimento e celulose para exportação, um fenômeno que não deve ser entendido como algo isolado, tendo em vista possuir importantes ramificações globais cuja analise pode melhorar nosso entendimento acerca das mudanças contemporâneas do extrativismo na América Latina. O presente artigo objetiva realizar uma análise multiescalar da expansão do monocultivo arbóreo e da produção de celulose no Brasil contemporâneo, a partir dos mais recentes megaempreendimentos do segmento, com foco nas estratégias de territorialização das corporações para sua efetivação. O principal argumento defendido é que, da maneira como está estruturada, a produção de celulose implica necessariamente a pilhagem ilimitada de recursos territoriais em detrimento dos povos originários, tradicionais, camponeses e dos trabalhadores vinculados ao processo produtivo, no campo e nas fábricas, e da população das áreas atingidas como um todo.


Palavras-chave


celulose; pilhagem territorial; agroextrativismo; Brasil; América Latina.

Texto completo:

PDF


 

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS 
 


                          
Gale
                       
ExLibris header image


APOIO

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada