AGROHIDRONEGÓCIO, CAMPESINATO E A DISPUTA PELO TERRITÓRIO NO PONTAL DO PARANAPANEMA (SP)/ Agrohidronegócio, peasantry and the dispute for the territory in Pontal do Paranapanema (SP)/ Agrohidronegócio, campesinado y la disputa sobre el territorio en el Pontal do Paranapanema (SP)

Diógenes Rabello

Resumo


 

Este texto tem como objetivo colocar em debate a disputa pelo território protagonizada pelo agrohidronegócio canavieiro e o campesinato no Pontal do Paranapanema (SP). O agrohidronegócio se caracteriza pelo monopólio da terra e da água, por produzir monoculturas com uso intensivo de tecnologias de ponta e agroquímicos, e se sustenta com base no discurso de desenvolvimento. O campesinato se caracteriza como uma forma de vida e trabalho no campo antagônico ao agrohidronegócio tanto nos aspectos produtivos quanto nos aspectos ideológicos, portanto, preocupa-se na produção de alimentos saudáveis e em diversidade, e pensa o campo como espaço de reprodução da vida. No Pontal do Paranapanema, oeste do estado de São Paulo, as famílias camponesas têm sofrido os impactos diretos e indiretos da presença do agrohidronegócio canavieiro. Esses impactos estão relacionados à dimensão material da expansão das lavouras de cana-de-açúcar, as quais estão cercando cada vez mais os assentamentos rurais e as pequenas cidades da região, bem como à dimensão ideológica na qual esta expansão está pautada, que cria mecanismos para a captura da subjetividade dos sujeitos através do discurso do emprego, da sustentabilidade e da oferta de formação profissionalizante.

 


Palavras-chave


Agrohidronegócio; campesinato; conflito; Pontal do Paranapanema.

Texto completo:

PDF


 

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS 
 


                          
Gale
                       
ExLibris header image


APOIO

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada