A EXPANSÃO DA FRUTICULTURA, PRODUÇÃO FAMILIAR E SUJEIÇÃO DA RENDA DA TERRA AO CAPITAL NO NOROESTE PAULISTA

Celso Donizeti Locatel, Antonio Nivaldo Hespanhol

Resumo


Buscou-se compreender o processo de desenvolvimento da fruticultura na MRG de Jales e seus reflexos na organização do espaço, na produção e nas relações de trabalho, assim como o processo de sujeição da renda da terra no processo de produção de fruta para o consumo in natura. Para tanto, analisa-se o processo que levou a expansão desta atividade na região, além alterações na estrutura fundiária, no número de pessoas ocupadas no campo e nas relações de trabalho. As alterações mais significativas, na agropecuária da região, observadas no período posterior à decadência da cafeicultura, na década de 1980, com o desenvolvimento da fruticultura, levando à  decadência da agricultura e, também, ao incremento da utilização de novas tecnologias, mas sem provocar transformações nas relações de trabalho e na estrutura fundiária. Mesmo tendo ocorrido na região o desenvolvimento de uma atividade econômica que apresenta algumas
vantagens para o produtor, não se desenvolveu uma estrutura para a  comercialização dessas mercadorias que garanta ao agricultor a apropriação da renda gerada por essa atividade. Isso se dá porque, no processo de circulação da mercadoria, ocorre a mediação entre as diversas unidades e segmentos de produção, havendo uma concorrência pelo controle de parte da renda que acaba sendo apropriada por outros agentes vinculados ao capital comercial, representado por inúmeros atravessadores.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formacao.v2i9.999

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio