A BELÉM DA BELLE ÉPOQUE E OS ROTEIROS GEO-TURÍSTICOS COMO INSTRUMENTOS DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

Magaly Caldas Barros, Hugo Hage Serra

Resumo


Este trabalho tem como objetivo central evidenciar a importância dos roteiros geo-turísticos na cidade de Belém do Pará, apresentando o tema Belle Époque como central no processo de Educação patrimonial da cidade. A Belle Époque se constituiu como um processo de reurbanização de Belém do Pará, aos moldes do que representara a cidade de Paris – referência de urbanização do final do século XIX e início do século XX. A construção de prédios foi um dos legados deixados na cidade de Belém e que perduram até o atual momento, representados por autênticas rugosidades espaciais. Os roteiro geo-turísticos, por sua vez, retomam a importância da Belle Époque por meio do reconhecimento geográfico, histórico, cultural, simbólico e da arquitetura que aquela época representou e ainda persiste no momento. Foram utilizados referenciais teóricos acerca da Belle Époque e Educação patrimonial. Além disso, a aplicação dos roteiros geo-turísticos no centro de Belém e os registros históricos, imagéticos, de cartografia e levantamento de informações junto a órgãos responsáveis foram sintetizados para este trabalho.


Texto completo:

PDF

Referências


BECK, U. A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: GIDDENS, A.; LASH, S.; BECK, U. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2012, p. 11-88.

BERMAN, M. Tudo o que é sólido se desmancha o ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das letras, 2003.

CARNEIRO, E. Belém entre filmes e fitas: a experiência do cinema, do cotidiano das salas às representações sociais nos anos de 1920. 2011. 192 f.: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia. Belém, 2011.

CHOAY, F. A Alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade/ Editora UNESP, 2001.

CORRÊA. R. Região e organização espacial. 8. ed. São Paulo: Ática (Princípios).

CRUZ, E. Histórias de Belém. Belém: Universidade Federal do Pará, 1973. v.1. (Amazônica. José Veríssimo).

________. Ruas de Belém: significado histórico e suas denominações. Belém: Conselho Estadual de Cultura, 1970.

FREITAS, A. O patrimônio e a encenação das identidades: uma política cultural identitária no Pará (1995-2006). Políticas Culturais em Revista, v. 4, 2001, p. 103-121.

GOMES, Paulo. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

HARVEY, D. Diecisiete contradicciones y el fin del capitalismo. Quito: Editorial IAEN, 2014.

HORTA, M.; GRUNBERG, E.; MONTEIRO, A. Guia básico de educação patrimonial. Brasília: IPHAN: Museu Imperial, 1999.

NIGRO, C. As dimensões culturais e simbólicas nos estudos geográficos: bases e especificidades da relação entre patrimônio cultural e geografia. In: PAES, M.; OLIVEIRA, M. (Orgs.). Geografia, turismo e patrimônio cultural. São Paulo: Annablume / Fapesp, 2009, p. 55-80.

IPHAN. Educação patrimonial: histórico, conceitos e processos. Brasília: DAF/Cogedip/Ceduc, 2014. Disponível em: http://www.Iphan.gov.br. Acesso em 28 de junho de 2016.

LOBATO, C.; ARRUDA, E.; RAMOS, A. Palacete Bolonha: uma promessa de amor. Belém: Ed. da UFPA, 2007.

OLIVEIRA, J. et al. A verticalização em Belém-Pará, Brasil, nos últimos trinta anos: a produção de espaços segregados e as transformações socioambientais. Anais. X Encontro de Geógrafos da América Latina, USP, 2005.

PAES, M. Apresentação. In: PAES, M.; OLIVEIRA, M. (Orgs.). Geografia, turismo e patrimônio cultural. São Paulo: Annablume / Fapesp, 2009, p. 13-32.

ROCQUE, C. Lemos e sua época: história política do Pará. 2.ed. Belém: Cejup, 1996.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

__________. Pensando o espaço do homem. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2004.

SARGES, M. Belém: riquezas produzindo a Belle-Époque (1870-1912). 2. ed. Belém: Paka-Tatu, 2002 (Açaí).

SILVA, P.; ÁVILA, S. Prefácio. In: V simpósio capixaba de memória institucional. Anais, 2016. Vitória: Ministério Público do estado do Espírito Santo, 2016, p. 5-8.

SERRA, H.; TAVARES. M. Belém, cidade quadricentenária: o patrimônio valorizado pelos roteiros geoturísticos. Revista Camões: Belém do Pará (1616-2016). Lisboa: Instituto Camões / Revista de letras e culturas lusófonas. n. 25, 2016, p. 71-78.

SOUZA, M. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I., GOMES, P., CORRÊA, R. (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. Bertrand Brasil: Rio de Janeiro, Brasil, 1995.

SOUZA, R. Histórias invisíveis do Teatro da Paz: da construção à primeira reforma. Belém do Grão-Pará (1869-1890). 2009. 212 f.: Dissertação (mestrado) – Pontifícia Universidade Católica, Mestrado em História Social, 2009.

VERIANO, P. (Org.). A crítica de cinema em Belém. Belém: Secretaria de Estado da Cultura, Desportos e Turismo, 1983.




Revista Formação (Online). ISSN: 2178-7298. E-ISSN: 1517-543X

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS









Apoio