ÉTICA E LIVRE ARBITRIO

Ana Paula da Silveira Simões Pedro

Resumo


Será que as nossas decisões e ações são pautadas pelo livre arbítrio ou, pelo contrário, são causalmente determinadas? Por outro lado, poderão ainda as nossas ações serem simultaneamente causadas quer pelo livre arbítrio quer pelo determinismo? Na eventualidade de as nossas decisões e ações não serem pautadas pelo livre arbítrio, poderemos ser responsabilizados por elas? Se não, então, qual o sentido da ética? Estas são algumas das questões fundamentais que este artigo procura analisar através da discussão dos principais argumentos das teorias compatibilistas (FRANKFURT, 1969) e incompatibilistas (VAN INWAGEN, 1983) acerca da natureza da ação moral. Em última análise, trata-se de avaliar até que ponto podemos ser moralmente responsáveis pelos nossos atos independentemente de termos livre arbítrio, ou não, e de repensar o lugar da ética neste novo cenário. As consequências que se podem extrair deste debate serão, pois, de enorme relevância, por exemplo, para o agir educacional.

http://dx.doi.org/10.14572/nuances.v23i24.1887


Palavras-chave


Livre arbítrio; determinismo; compatibilismo; incompatibilismo; ética.

Texto completo:

ARTIGO


DOI: https://doi.org/10.14572/nuances.v23i24.1887


Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Departamento de Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia/Unesp - Presidente Prudente.

Retornar ao portal de revistas
Menor Menor Médio Médio Maior Maior
Facebook Facebook Revista Nuances
Email nuances.fct@gmail.com