A LUTA CAMPONESA PELA ÁGUA ENQUANTO UMA ETAPA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO/CONSOLIDAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE ESPERANÇA

Emilia de Rodat Fernandes Moreira, Valéria Raquel Porto de Lima, Ivan Targino

Resumo


O artigo objetiva recuperar e discutir a luta dos camponeses por água numa área de assentamento rural. Esta luta é entendida como um momento do processo de construção de um “Território de Esperança”. O Assentamento Acauã está situado no Alto Sertão paraibano. Foi o primeiro assentamento do Sertão da Paraíba que se organizou para lutar pelo acesso à água de um canal de transposição, construído para atender a demanda de irrigação da agricultura na região. O estudo pautou-se na pesquisa bibliográfica, documental e de campo e está estruturado em duas partes. A primeira aborda as intervenções de combate à seca no Nordeste brasileiro. A segunda constatou que o confronto entre os assentados e o Estado em torno do acesso à água é posterior à luta por terra e constitui uma etapa do processo de ruptura e superação dos “Territórios de Exploração”. Tais territórios estão presentes no semi-árido, desde o período colonial. Eles foram fortalecidos com a concentração de água promovida pelo Estado nas terras do latifúndio, garantindo e perpetuando a dependência econômica, cultural e política dos pequenos produtores assentados. Para a consolidação de um “Território de Esperança” em Acauã faz-se necessária a quebra do monopólio secular da água e a sua democratização para garantir o acesso igualitário à mesma.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formacao.v1i15.949

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio