A DINÂMICA NA FRONTEIRA PARAENSE E OS TERRITÓRIOS DO CAPITAL: PECUÁRIA, EXTRAÇÃO MADEIREIRA E MINERAÇÃO.

Mateus Monteiro Lobato

Resumo


Esse artigo procura analisar a fronteira sudeste do Estado do Pará a partir das atividades nela desenvolvidas: pecuária, extração madeireira e exploração mineral, com o objetivo de analisar o comportamento dessas atividades a partir da década de 1990 até o início da década de 2010 para compreender como essas atividades são desenvolvidas e quais os retornos que elas proporcionam à sociedade em escala regional. Para tanto, o recorte de pesquisa priorizado é o sudeste paraense, um dos palcos das ações e planos desenvolvimentistas federais, principalmente a partir da metade da década de 1950, área que faz parte do que Becker (2005) denominou de Arco do Povoamento. As argumentações presentes no artigo foram retiradas de dados primários (a partir de entrevista) e secundários (retiradas de páginas de órgãos oficiais). A hipótese que guia esse artigo é a de que as três atividades desenvolvidas têm seu caráter vinculado a produção capitalista e por isso seu retorno à sociedade está aquém de sua proporção econômica.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Bertha Koiffmann. ______. Geopolítica da Amazônia. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 53, p. 71-86. 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 set 2016.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Sobre a tipologia de territórios. In: SAQUET, Marcos Aurelio; SPOSITO, Eliseu Savério (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009, pp. 197-227.

IDESP/ADEPARÁ – INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, SOCIAL E AMBIENTAL DO PARÁ/AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARÁ. Dinâmica pecuária bovina e bubalina no estado do Pará: 1990-2010. Belém: IDESP/ADEPARÁ, 2012, 259 p.

MARGULIS, Sérgio. Causas do desmatamento na Amazônia brasileira. Brasília, DF: Banco Mundial, 2003. 100 p. Disponível em: . Acesso em: 30 ago 2011.

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO; INSTITUTO DO HOMEM E MEIO AMBIENTE DA AMAZÔNIA. A atividade madeireira na Amazônia brasileira: produção, receita e mercados. Belém: Serviço Florestal Brasileiro (SFB)/Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (IMAZON), 2010, 20 p.

MONTEIRO, Hélio Ferreira. A concentração da indústria de frigoríficos e a crise da pecuária na região sudeste do Pará: uma abordagem multifacetada. Belém, 2012. 263 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

TEIXEIRA, João Batista Guimarães; BEISIEGEL, Vanderlei de Rui (orgs.). Carajás: geologia e ocupação humana. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2006, 470 p.

PALHETA DA SILVA, João Márcio. Poder, governo e território em Carajás. Presidente Prudente, 2004. 214 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente, 2004.

______. Meio século de mineração na Amazônia e suas implicações para o desenvolvimento regional. Estudos Avançados. São Paulo, v. 19, n. 53, pp. 187-207, abr. 2005. Disponível em: . Acessado em: 10 fev. 2017.

VALE. Estrada de Ferro Carajás: o caminho onde passa a nossa riqueza. Disponível em: . Acessado em: 6 jan. 2017a.

______. Valemax. Disponível em: . Acessado em: 02 jan. 2017b.

Índice de Progresso Social na Amazônia brasileira: IPS Amazônia 2014. Belém: Imazon/Social Progress Imperative, 2014, 104 p.




DOI: https://doi.org/10.33081/formação.v26i47.5600

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio