DINÂMICA DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO ALTO CURSO DA BACIA DO RIBEIRÃO DOS RANCHOS - ADAMANTINA/

Carolina Bugalho Kohori, Edson Luís Piroli

Resumo


A Nova Alta Paulista foi uma das últimas regiões a serem atravessadas pela ferrovia e ocupadas pela frente cafeeira, tendo suas formações vegetais naturais quase que totalmente suprimidas em detrimento da expansão da área urbana e de culturas agropecuárias. As sedes dos municípios foram construídas no espigão-divisor de águas dos rios Aguapeí e Peixe, ocupando diversas nascentes de córregos. Diante dessa realidade, propôs-se a análise da dinâmica nas Áreas de Preservação Permanente (APP) do alto curso da bacia do Ribeirão dos Ranchos, localizada no município de Adamantina, integrante da Nova Alta Paulista. O objetivo do trabalho foi analisar as mudanças ocorridas no uso da terra nas APP entre os anos de 1971 e 2016 e os impactos ambientais das alterações sobre essas áreas, utilizando técnicas de geoprocessamento. Por meio das análises realizadas observou-se que houve significativas mudanças, como a diminuição da classe lavoura temporária e expansão da área de pastagem. Os principais problemas ambientais observados na área rural foram pastagens degradadas, ausência de mata ciliar, solos erodidos, assoreamento e contaminação dos recursos hídricos. Notou-se pequeno avanço da cobertura florestal nas APP.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Áreas de preservação permanente e unidades de conservação X áreas de risco. O que uma coisa tem a ver com a outra? Relatório de inspeção da área atingida pela tragédia das chuvas na região serrana do Rio de Janeiro / Wigold Bertoldo Schäffer... [et al.]. – Brasília: MMA, 2011. Série Biodiversidade, 41.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Capítulo VI. Do Meio Ambiente. Artigo 225. Brasília, 1988.

______. Lei Federal 7.803 de 18 de julho de 1989. Altera a redação da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, e revoga as Leis n.ºs 6.535, de 15 de junho de 1978, e 7.511, de 7 de julho de 1986.

______. Lei Federal n. 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Brasília: Presidência da República, 2012.

______. Lei Federal n.12.727, de 17 de outubro de 2012. Altera a Lei no 12.651/2012, e as Leis nos 6.938/1981, 9.393/1996, e 11.428/2006; e revoga as Leis nos 4.771/1965, e 7.754/1989, e a Medida Provisória n. 2.166-67/2001. Brasília: Presidência da República, 2012.

BRUIJNZEEL, L. A. Hydrological functions of tropical forests: not seeing the soils for the trees? Agriculture, Ecosystems and Environment. v. 104, p. 185–228, 2004.

COMITÊ DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS AGUAPEÍ E PEIXE (CBH-AP). Relatório zero: Relatório de situação dos recursos hídricos das bacias dos rios Aguapeí e Peixe, 1997. Disponível em: . Acesso em: 02 de junho 2016.

COSTA, C. D. de O.; TEMÓTEO, A. da S.; ZIMBACK, C. R. L. Caracterização de uma bacia hidrográfica quanto a suscetibilidade a erosão, utilizando técnicas de geoprocessamento. Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 14, Natal, 2009. Anais... Natal: INPE, 2009. p. 3689-3695.

CRIADO, R. C. Análise do uso da terra nas áreas de preservação permanente dos corpos d’água da bacia do córrego espraiado como subsídio para pagamentos por serviços ambientais. 2012. 118 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2012.

______. Mudanças no uso e na cobertura da terra em municípios do Pontal do Paranapanema de 1984 a 2014. 2016. 315 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2016.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 1999. 412p.

FITZ, P. R. Geoprocessamento sem complicação. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. 160 p.

FREEZE, R. A.; CHERRY, J. A. Águas Subterrâneas. Tradução Everton de Oliveira et al. São Paulo: Everton de Oliveira, 2017. 698 p. Disponível em: . Acesso em 06 de dezembro de 2017.

GIL, I. C. Nova Alta Paulista, 1930-2006: entre memórias e sonhos. Do desenvolvimento contido ao projeto político de desenvolvimento regional. 2007. 395 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2007.

GOMES, H. F. et al. Balanço de radiação em diferentes biomas no Estado de São Paulo mediante imagens Landsat 5. São Paulo, UNESP. Geociências, v. 28, n. 2, p. 153-164, 2009.

IBGE. Censo Agropecuário de São Paulo. VIII Recenseamento geral. Série regional, v. III, t. XVIII. 2ª parte. Rio de Janeiro: IBGE, 1975.

IBGE. Manual técnico de uso da terra. 3. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

IRITANI, M. A.; EZAKI, S. As águas subterrâneas do Estado de São Paulo. In: Cadernos de Educação Ambiental. 2. ed. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2009.

LIMA, C. J. de. Jubileu de Ouro de Adamantina (1949 – 1999). Adamantina, 2002.

NOVO, E. M. L. M., Métodos de Extração de Informações. In: ______. Sensoriamento Remoto: princípios e aplicações. São Paulo: Edgar Blücher. 3. ed., 2008. 363 p.

PIROLI, E. L. Água: Por uma nova relação. Jundiaí: Paco Editorial, 2016. 144 p.

PIROLI, E. L. Geoprocessamento aplicado ao estudo do uso da terra das áreas de preservação permanente dos corpos d’água da bacia hidrográfica do rio Pardo. 2013. 150 f. Tese (Livre-docência em Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento) – Universidade Estadual Paulista, Ourinhos, 2013.

PRANDI, E. C. Gestão integrada das águas do sistema aquífero Bauru nas bacias hidrográficas dos rios Aguapeí e Peixe/SP. 2010. 145 f. Tese (doutorado) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 2010.

PRIMAVESI, A. Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões tropicais. São Paulo: Nobel, 2002. 541 p.

ROSA, R. Geotecnologias na Geografia Aplicada. Revista do Departamento de Geografia, n. 16, p. 81-90, 2005.

SALOMÃO, F. X. de T. Controle e prevenção dos processos erosivos. GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M., orgs. Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. p. 229-267.

SANTOS, R. F. Planejamento Ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004. 184 p.

SOLDERA, B. C.; SOUZA, P. O.; MANZIONE, R. L. Modificações no uso e cobertura do solo e seus efeitos na oscilação do nível freático em uma área de afloramento do Sistema Aquífero Guarani (SAG) analisadas a partir de dados de precipitação e séries EVI (Índice de Vegetação Melhorada). In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, 16, 2013, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: INPE, 2013. p. 74-80.

SOPPER, W. E. Effects of timber harvesting and related management practices on water quality in forested watersheds. Journal of Environmental Quality, Madison, v. 4, p. 24-29, 1975.

TABACOW, J. W.; XAVIER-DA-SILVA, J. Geoprocessamento aplicado à análise da fragmentação da paisagem na Ilha de Santa Catarina. In: XAVIER-DA-SILVA, J.; ZAIDAN, R. T., orgs. Geoprocesssamento e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. p. 35 – 68.

TUCCI, C. E. M.; HESPANHOL, I.; NETTO, O. M. C. Cenários da gestão da água no Brasil: uma contribuição para a “Visão Mundial da Água”. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 5, n. 3, p. 31-43, 2000.

TUNDISI, J. G. Ciclo hidrológico e gerenciamento integrado. Ciência e Cultura, v. 55, n. 4, p. 31-33, 2003.

XAVIER DA SILVA, J. As Estruturas Lógicas de Análise e Integração. Apostila do CEGEOP – Curso de Especialização em Geoprocessamento. Rio de Janeiro: UFRJ 1-14, 1999.

ZANATA, J. M. Mudanças no uso e cobertura da terra na bacia hidrográfica do Ribeirão Bonito, municípios de Avaré e Itatinga - SP. 2014. 122 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2014.




DOI: https://doi.org/10.33081/formação.v25i46.5532

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio