SUSCETIBILIDADE MORFOMÉTRICA A INUNDAÇÕES NAS BACIAS HIDROGRÁFICAS TRIBUTÁRIAS DO RIO DO PEIXE, ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS

Bárbara Thaís Ávila, José Oliveira de Almeida Neto, Miguel Fernandes Felippe

Resumo


As inundações são processos naturais que estão relacionados, entre outros fatores, às características morfométricas que representam a geometria do relevo da bacia hidrográfica. Ou seja, sabe-se que o conjunto das feições do relevo em uma bacia pode contribuir para escoar de modo mais rápido ou mais lento suas águas superficiais, condicionando (ou não) a ocorrência de cheias, em associação aos fenômenos meteorológicos. Diante disso, esse trabalho tem como objetivo avaliar a suscetibilidade morfométrica a inundações de 23 bacias tributárias (8ª, 7ª, 6ª e 5ª ordens), que compõe a bacia hidrográfica do rio do Peixe, no sudeste de Minas Gerais.  Foram utilizadas as bases ottocodificadas, da rede de drenagem e das bacias de drenagem, além de curvas de nível na escala de 1:50.000, para o cálculo de quinze parâmetros morfométricos. Posteriormente, realizou-se a interpretação qualitativa multivariada de cada unidade de análise para definição de graus de suscetibilidade a inundações. O mapeamento dos resultados permite uma leitura comparativa da distribuição espacial das suscetibilidades. Além disso, demonstra-se que a forma da bacia, o índice de circularidade e o fator de forma foram os parâmetros que sinteticamente melhor traduziram os resultados da composição multivariada. Essa metodologia apresentou-se como passível de ser empregada em zoneamentos ambientais de bacias hidrográficas para que se elabore um planejamento que seja mais condizente com as reais possibilidades que os tributários têm de contribuir para a ocorrência de inundações em bacias de maior hierarquia.


Texto completo:

PDF


Revista Formação (Online). ISSN: 2178-7298. ISSN-L: 1517-543X