UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DO CIRCUITO ESPACIAL PRODUTIVO E DOS CÍRCULOS DE COOPERAÇÃO NO ESPAÇO DAS “CERVEJAS ESPECIAIS” A PARTIR DO CRESCIMENTO DAS MICROCERVEJARIAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

João Paulo Rosalin, Fabricio Gallo

Resumo


Buscamos neste texto compreender os novos rearranjos do circuito espacial da produção cervejeira e seus círculos de cooperação no espaço no estado de São Paulo a partir da análise do crescimento das microcervejarias, produtoras das chamadas “cervejas especiais”. Buscamos identificar os principais agentes envolvidos na produção e normatização do setor microcervejeiro apontando, assim, que como se dá o uso do território pelos agentes deste segmento industrial.

O estado de São Paulo, conforme informações da Associação dos Cervejeiros Artesanais – ACERVA, além de contar com o maior número de microcervejarias também possui a maior demanda de consumo, principalmente na capital do estado. Partindo de tais constatações identificamos que o processo recente de expansão da atividade das microcervejarias no estado de São Paulo tem raízes diferentes daquela expansão de microcervejarias de outras regiões do Brasil.

Notadamente, as densidades técnica e política que se aplicam à produção cervejas especiais no Brasil encontram-se marcadamente concentradas no estado de São Paulo, sendo que a participação deste no contexto nacional aponta para um conjunto de agentes e produtos necessários ao funcionamento da indústria cervejeira, que dispostos de forma igualmente concentrada, revelam a participação dos agentes econômicos em porções selecionadas do território nacional.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formacao.v2i23.4163

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio