MOBILIDADE TEMPORÁRIA DO TRABALHO NOS PEQUENOS MUNICÍPIOS, FRENTE À REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA DO CAPITAL

Silmara Oliveira Moreira, Janio Santos

Resumo


No século XX, verificou-se o fluxo migratório de várias regiões do Brasil, sobremodo Nordeste, de onde muitos, de origem campesina, deslocaram-se para a Região Sudeste. Atualmente, contornos novos são evidenciados nesse deslocamento de trabalhadores, que apontam dinâmicas territoriais. Analisar a mobilidade do trabalho, vinculada os pequenos municípios, objetivo deste artigo, permite entender os motivos que, nos quinze anos, levaram trabalhadores a saírem de suas localidades temporariamente, para vender a força de trabalho em outras áreas. Esse fenômeno configura-se nos pequenos municípios, no século XXI, como fator que interfere na dinâmica socioeconômica, trabalhadores marcados por vidas fragmentadas, entrecruzadas em migrações temporárias, cujo desdobramento crucial é a plasticidade do trabalho, em um contexto de reestruturação produtiva do capital.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33026/peg.v17i1.4402

A Pegada está indexada em:

LATINDEX - http://www.latindex.unam.mx/

Sumarios.org - http://sumarios.org/

Scientific Indexing Services (SIS) - http://sindexs.org/

GEODADOS - http://geodados.pg.utfpr.edu.br/

Capes Periódicos - http://www.periodicos.capes.gov.br/

Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico (REDIB) - https://www.redib.org/

Directory of Open Acess Journals (DOAJ) - http://doaj.org/

EBSCO - https://www.ebsco.com/

ISSN: 1676-3025