image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94961 OS REGISTROS ESCRITOS INFANTIS E ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: EM FOCO, O ENSINO DE CIÊNCIAS POR INVESTIGAÇÃOREGISTROS ESCRITOS INFANTILES Y ALFABETIZACIÓN CIENTÍFICA: ENFOQUE EN LA ENSEÑANZA DE LA INVESTIGACIÓN EN CIENCIASCHILD WRITTEN RECORDS AND SCIENTIFIC LITERACY: FOCUS ON INQUIRY BASED SCIENCE TEACHING Tatiana Schneider Vieira de MORAES1Cyntia Graziella Guizelim Simões GIROTTO2Bárbara Cortella Pereira de OLIVEIRA3 RESUMO: O Ensino de Ciências por Investigação nos anos iniciais da escolarização contribui para o desenvolvimento do processo de Alfabetização Científica. Na exposição de parte dos resultados de pesquisa, crianças e professoras colaboradoras em cena, se situam em uma escola da rede pública de um município de médio porte, no oeste paulista. Trata-se de uma turma de terceiro ano do Ensino Fundamental que, em ação cooperativa, participou de atividades decorrentes da organização de uma Sequência de Ensino Investigativa, intitulada “Fotossíntese e cadeia alimentar”. Na imersão da cultura produzida pela humanidade, atividades de linguagens escrita e científica se entrelaçam e contribuem para a formação da inteligência e personalidade infantis, evidenciando o quanto essa prática de ensino envolvendo resolução de problemas, levantamento de hipóteses e discussões traz impactos positivos na produção de textos autorais, nos quais a criança, ao registrar o que pensa e aprendeu em aula, amplia o desejo de se expressar em seu projeto de dizer e se apropria de capacidades especificamente humanas, relativas à escrita e à ciência. Sendo assim, as atividades investigativas podem ser um caminho possível para potencializar o processo de alfabetização, bem como o envolvimento do aluno com a cultura científica. PALAVRAS-CHAVE: Ensino Fundamental I. Alfabetização científica. Ensino de ciências baseado em pesquisas. Cultura de escrita. RESUMEN: La Enseñanza de la Investigación en Ciencias en los primeros años de escolaridad contribuye al desarrollo del proceso de Alfabetización Científica. En la exhibición de parte de los resultados de la investigación, los niños y maestros colaboradores en el escenario se encuentran en una escuela pública en un municipio de tamaño mediano, en el oeste de São Paulo. Este es un grupo de tercer año de escuela primaria que, en acción 1Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília SP Brasil. Professora Assistente. Departamento de Didática. Doutorado em Educação. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6255-5843. E-mail: tatiana.moraes@unesp.br 2Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília SP Brasil. Professora Livre Docente. Departamento de Didática. Livre-docente em Leitura e Escrita (UNESP). ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0620-4613. E-mail: cyntia.girotto@unesp.br 3Universidade Federal do Mato Grosso (UFTM), Cuiabá MT Brasil. Professora Adjunta. Departamento de Ensino e Organização Escolar do Instituto de Educação. Doutorado em Educação. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4068-6417. E-mail: barbaracortella@gmail.com
image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94962 cooperativa, participó en actividades resultantes de la organización de una secuencia de enseñanza investigativa titulada "Fotosíntesis y cadena alimentaria". En él, en la inmersión de la cultura producida por la humanidad, las actividades lingüísticas escritas y científicas se entrelazan y contribuyen a la formación de la inteligencia y la personalidad de los niños, destacando cómo esta práctica de enseñanza que involucra la resolución de problemas, la formulación de hipótesis y las discusiones trae impactos positivos en la producción de textos de autor, en los que el niño, al registrar lo que piensa y aprende en clase, expande su deseo de expresarse en su proyecto de decir y se apropia específicamente de las habilidades humanas relacionadas con la escritura y la ciencia. Por lo tanto, las actividades de investigación pueden ser una posible forma de mejorar el proceso de alfabetización, así como la participación del estudiante en la cultura científica. PALABRAS CLAVE: Escuela Primaria Ciclo I. Alfabetización científica. Enseñanza de las ciencias por investigación. Cultura escrita. ABSTRACT: Inquiry Based Science Teaching in the early years of schooling contributes to the development of the Scientific Literacy process. In the exhibition of part of research results, the collaborating children and teachers on stage are located in a public school of medium-sized city, in the West region of São Paulo. This is a third year Elementary School group that, in cooperative action, participated in activities resulting from the organization of an Investigative Teaching Sequence entitled “Photosynthesis and Food Chain”. In it, in the immersion of the culture produced by humanity, written and scientific language activities intertwine and contribute to the formation of children's intelligence and personality, highlighting how this teaching practice involving problem solving, hypothesis raising and discussions brings positive impacts to the production of authorial texts, in which the child, when recording what he thinks and learned in class, expands his desire to express himself in his project of saying, and appropriates specifically human abilities related to writing and science. Thus, investigative activities may be a possible way to enhance the literacy process, as well as the student's involvement with the scientific culture. KEYWORDS: Elementary School Cycle I. Scientific literacy. Inquiry based Science teaching. Written culture. Palavras iniciais e ancoragem teórica O texto em tela tematiza parte das ações desenvolvidas no âmbito de um projeto de pesquisa, cujo referencial adotado tem inserção no campo da formação de professores de Ciências, bem como discute uma relação direta com a promoção da Alfabetização Científica (AC), a partir da abordagem metodológica de Ensino de Ciências por Investigação (ENCI) e a contribuição à produção de textos autorais de crianças de um terceiro ano do Ensino Fundamental (EF) de uma escola da rede pública municipal. Pesquisadores nacionais e internacionais têm se dedicado à investigação do termo Alfabetização Científica, correlato a outras denominações como alfabetización científica,
image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94963 scientific literacy, alphabétisation scientifique,letramento científico e enculturação científica. Em todas essas variações, o uso possui relação direta com o ensino dirigido à aprendizagem e desenvolvimento de capacidades humanas que possibilitem a participação dos aprendizes nos processos decisórios do cotidiano, trazendo implicações para a sua formação cidadã (SASSERON; CARVALHO, 2011). A literatura especializada aponta o Ensino de Ciências (EC) como uma possibilidade de ferramenta para a inserção e promoção da AC já nos anos iniciais da escolarização, de modo que a criança possa refletir, ao mesmo tempo, sobre o conhecimento científico e a realidade social, bem como sofisticar suas atitudes e capacidades especificamente humanas. Para tanto, existe um amplo consenso da necessidade de uma AC promotora da preparação e do envolvimento dos cidadãos com a cultura científica. Com essa perspectiva, as ações didático-pedagógicas endereçadas à realização de atividades problematizadoras, cuja dinâmica entre os conteúdos das Ciências e as situações significativas vividas pelas crianças em seu cotidiano precisam estar em foco. Compreender o mundo por meio das relações entre o conhecimento dos fenômenos científicos e tecnológicos presentes em seu entorno passa a ser meta prioritária (CACHAPUZ et al., 2005; GIL; VILCHES, 2001). Compreendemos que a inserção da criança no mundo da cultura escrita e científica pode ser realizada já desde a primeira infância. No entanto, nos anos iniciais do EF, a alfabetização possui lugar de destaque e está direcionada à apropriação da linguagem escrita e não meramente do código escrito, como muitas práticas pedagógicas o fazem, sem que de modo efetivo contribua para a conquista da capacidade e atitude de ler e escrever com autonomia. Esse conceito de alfabetização, quando relacionado ao EC, busca considerar os processos de compreensão e expressão de significados que envolvem os conhecimentos científicos em uma proposta de AC (LORENZETTI; DELIZOICOV, 2001). Nesta pesquisa, a estratégia metodológica de Ensino de Ciências por Investigação ganha destaque como ferramenta essencial para a promoção da AC. As atividades investigativas, ao serem consideradas como fonte de possibilidades para o EC nos anos iniciais, garantem o protagonismo infantil nas linguagens escrita e científica. Azevedo e Abib (2013) asseveram, em suas pesquisas, o poder e escopo de uma orientação investigativa para esse ensino na formação de nossas crianças, desde que se valore e conceba a situação-problema e a investigação como elementos essenciais nas atividades infantis criadas pelo professor, voltadas à aprendizagem e ao desenvolvimento humanos, dirigidas à formação da inteligência e personalidade desde a infância.
image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94964 Nas atividades de ensino por investigação, a aprendizagem de conteúdos processuais e atitudinais é tão importante quanto a de constructos teóricos (AZEVEDO, 2006; CARVALHO; SASSERON, 2012), a tal ponto que as atividades de investigação procurem propor: o problema, preferencialmente em forma de pergunta que estimule a curiosidade científica do estudante; levantamento de hipóteses, que devem ser emitidas pelos alunos por meio de discussões; coleta e análise de dados, em que podem ser utilizados gráficos e textos para que os alunos possam realizar a explicação desses dados; conclusão, quando os alunos formulam respostas ao problema inicial, a partir dos dados obtidos e analisados. Zompero e Laburú (2011) enaltecem as atividades investigativas como contribuidoras do desenvolvimento intelectual das crianças, a partir da realização de procedimentos como: elaboração de hipóteses; anotação; análise de dados e desenvolvimento da capacidade de argumentação. Além das atividades investigativas serem desenvolvidas a partir de questões problematizadoras, ter consonância com aspectos da vida do aprendiz torna-se, neste processo, vital; tanto quanto que se constituam como problemas reais e desafiadores, sob a orientação do professor. Se, mediante ao problema de investigação, a criança é levada à elaboração de suas hipóteses (ZANON; FREITAS, 2007), continuar garantindo condições para que esteja engajada ao problema a ser investigado e resolvido é igualmente fundamental (ZOMPERO; LABURU, 2011), sem o qual não se criam as bases orientadoras para uma Educação Científica. É certo que contextos e processos relacionados ao ensino e à aprendizagem em Ciências são extremamente diversificados, conforme acentuam Bastos et al.(2004) e, em consequência, os autores advertem sobre a inviabilização da utilização de uma mesma abordagem para tudo o que se pretende ensinar. Notadamente, Carvalho e Sasseron (2012) apontam que alguns temas do EC são apropriados para essa concepção de ensino por investigação, enquanto outros teriam de ser trabalhados com outras estratégias didáticas e recursos. O ENCI seria uma opção, dentre outras, que o professor poderia selecionar ao procurar diversificar sua prática de forma inovadora. Com a perspectiva do ENCI, Carvalho e Sasseron (2012) defendem a organização do ensino em sala de aula para o desenvolvimento de Sequências de Ensino Investigativas (SEIs) que objetivam sistematizar o trabalho pedagógico relativo aos processos científicos com as crianças. O intuito é desenvolver propostas congruentes à renovação da Educação Científica, a fim de que a cultura escolar já tão resguardada em visões deformadas da ciência e tecnologia abra espaço para que as crianças não cresçam numa ambientação em que a
image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94965 ciência é considerada uma área do saber reservada a gênios em seus sofisticados laboratórios, bem como um conhecimento detentor de verdades absolutas e inexoráveis. Assim Carvalho e Sasseron (2012, p. 153) apontam alguns aspectos que podem ser contemplados na organização dessas propostas: (a) Resolução do problema em pequeno grupo; (b) Discussão professor/classe com dois focos: a resposta ao 'como' resolveram o problema e por que deu certo; (c) Aplicação do conhecimento construído na realidade dos alunos, mediante aos questionamentos relaizados pelo professor com perguntas simples; e (d) Elaboração de texto escrito pelos alunos, individualmente, sobre o que aprenderam na aula. Já Azevedo (2006) adverte que a essência do ensino por investigação reside na ação colaborativa, isto é, na garantia da coparticipação de todos: as crianças deixam de ter uma postura passiva e passam a aprender a pensar, a elaborar o raciocínio, a verbalizar, a escrever, a trocar e justificar suas ideias. Por sua vez, o professor, conhecendo bem o assunto, propõe questões desafiadoras, além de apresentar uma atitude ativa e aberta, sempre atento às respostas, valorizando-as, sem se furtar a aplaudir as assertivas ou contrapor as ditas inadequadas e/ou inapropriadas distante das sempre provisórias evidências científicas , mas incluindo todas as crianças no processo. No contexto da imersão da infância no mundo da cultura escrita e científica, a articulação entre a aproriação das linguagens escrita e científica, apresenta-se como um elemento essencial. Chassot (2000) evidencia que as incompreensões de uma pessoa ao ler um texto da língua materna podem ser comparadas às incompreensões das pessoas que não dominam a linguagem da ciência, isto é, aquele que não domina a linguagem científica passa a não saber ler aquilo em que está escrito a natureza, logo, passa a não entender significativamente o mundo natural em que vive. A compreensão de linguagem escrita e alfabetização adotada por nós, importa destacar, respalda-se nas pesquisas do Círculo Bakhtiniano e na Escola de Vygotski. Não sem razão, a afirmação de Smolka (1999, p. 58 e 68) de que apenas a alfabetização do ponto de vista da psicologia vygotskyana (e, para nós, também da perspectiva bakhtiniana) pode dar conta realmente da questão da aquisição das linguagens oral e escrita como processo de interação social. Vygotsky analisa a escrita como uma forma de linguagem, levando em conta a dimensão discursiva e, por essa razão, não pode ser algo mecânico e desprovido de sentido
image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94966 para a criança. Ao contrário, a linguagem é um sistema que a criança assimila a partir de seu contexto social, internalizando-a, ressignificando-a para, em seguida, exteriorizá-la plena de significação e sentido social. Ocorre aí o domínio do discurso social pela criança. Contudo, se a alfabetização não consiste meramente na aprendizagem da escrita de letras, palavras e orações, nem tampouco envolve apenas uma relação da criança com a escrita “[…] implica, desde sua gênese, a ‘constituição do sentido’ […] uma forma de interação como outro pelo trabalho da escritura(SMOLKA, 1999, p. 69). Surge, então, a importância da figura do interlocutor no processo discursivo que favoreça a construção do conhecimento numa prática dialógica e discursiva junto ao alfabetizando. Este é, segundo Smolka (1999), o papel (de interlocutor) para nós, aqui, acrescentaríamos do professor de alfabetização da linguagem escrita e da linguagem científica que pretenda trabalhar junto às crianças um processo de apropriação da leitura e escrita de forma significativa, interdiscursiva e social, tanto quanto da linguagem científica, possibilitando às crianças constituírem e se perceberem como leitores e escritores autônomos de sua própria história e da história de sua realidade-natureza-entorno sociocultural, de modo a expandir-se cada vez mais também em sua Alfabetização Científica, ampliando suas habilidades e capacidades humanas. A seguir, um recorte da pesquisa de campo. Percurso de ações investigativas A pesquisa apresenta um enfoque predominantemente qualitativo, já que em educação é apropriada quando se pretende, dentre outros motivos, compreender processos e, neles, as nuances do entendimento subjetivo que motiva os vários participantes (ERICKSON, 1998). Lüdke e André (2018, p. 12) apontam que uma pesquisa de natureza qualitativa “tem o ambiente natural como sua fonte direta de dados e o pesquisador como seu principal instrumento”, bem como é rica em dados descritivos, tem um plano aberto e flexível e focaliza a realidade de forma complexa e contextualizada. Os dados gerados e aqui selecionados para análise, no contexto da investigação, circunscrevem uma abordagem qualitativa, portanto, relativa à busca pela compreensão da observação detalhada em cooperação com os participantes (BOGDAN; BIKLEN, 1994). Permitem a análise e interpretação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem no real, oriundos da produção de dados, embasada numa fundamentação teórica consistente,
image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94967 objetivando compreender e explicar o problema pesquisado, conforme orientam Lüdke e André (2018). Carvalho (2011) aponta que qualquer trabalho científico deve ser passível de réplica, em situações semelhantes, para que seus resultados possam ser generalizados. Com essa perspectiva, este trabalho apresenta uma proposta metodológica direcionada ao entendimento dos processos de ensino e aprendizagem em Ciências, mas não de qualquer ensino, e, sim, partindo de uma SEI previamente planejada pelo pesquisador com a colaboração da professora aplicadora e com base em referenciais teóricos norteadores. A sala de aula, em seu ambiente natural, constitui-se em fonte de dados, predominantemente descritivos, tendo como objetivo a descrição de fenômenos relacionados ao EC, que conduzem os alunos a processos de AC. Importa destacar que “o processo é tão importante quanto o produto” (CARVALHO, 2011, p. 25), à medida que se pretende caracterizar e compreender o processo de ensino, considerando a aprendizagem dos alunos um produto, a partir da perspectiva que somente existe ensino, se houver aprendizagem. O percurso metodológico se insere na organização e oferecimento de um curso de Ensino de Ciências por Investigação, uma formação continuada, no contexto dos grupos de pesquisas em que as pesquisadoras estão inseridas. Os dados oriundos do curso não serão discutidos na integralidade, no âmbito deste artigo, mas importa destacar que sua implementação e desenvolvimento resultou em ações subsequentes, tão enriquecedoras quanto renovadoras no fomento para novas ações de pesquisa. Dentre essas ações, bem como outras relacionadas à execução do projeto, destaca-se a participação das pesquisadoras em Horários de Encontros Coletivos (HECs), em escola de Ensino Fundamental da rede municipal de Marília. Em uma dessas ações foi ministrado o curso de formação acima citado. No desdobramento das atividades, foi estruturada uma intervenção pedagógica objetivando trabalhar com a abordagem do Ensino de Ciências por Investigação. Importa destacar que o projeto foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa da universidade e aprovado sob o nº 57864116.4.0000.5406. A partir da aplicação da SEI foram obtidos dados na forma de registros das crianças (desenho e escrita), analisados com base em eixos temáticos, a saber: 1 Registro de hipóteses; 2- Registro de atividade experimental-investigativa; e 3- Registro de outras atividades.
image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94968 Em discussão o processo de construção da Sequência de Ensino Investigativa A proposta de intervenção pedagógica teve início com reuniões específicas para uma compreensão mais detalhada referente à abordagem metodológica a ser empregada. Foram realizados quatro encontros com essa perspectiva, a saber: 1º encontro (15/02/18): reunião para apresentação da proposta e exposição do planejamento anual das professoras do 3º ano. Encaminhamento: leitura de texto a ser discutido no próximo encontro; 2º encontro (22/02/18): reunião para discutir o texto sobre proposição de Sequências Investigativas (CARVALHO, 2013), por meio de apresentação teórica e discussão coletiva. Encaminhamento: sistematizar elementos centrais para a proposição de uma SEI com o tema fotossíntese (temática de interesse das professoras); 3º encontro (15/03/18): discussão sobre os elementos da SEI, considerando as inserções das professoras. Estabelecimento de aproximações entre o livro didático utilizado e outros materiais, bem como seleção de atividades. Encaminhamento: revisar o documento elaborado e sugerir supressão ou inserção de atividades; 4º encontro (22/03/18): fechamento da SEI e estabelecimento de combinados coletivos para sua aplicação nas quatro turmas de 3º ano. Após esse momento profícuo de colaboração entre pesquisadoras e professoras foi proposta a SEI, intitulada “Fotossíntese e cadeia alimentar”, com o objetivo de compreender como o Ensino de Ciências por Investigação, pautado na Alfabetização Científica, pode contribuir para o aprimoramento da produção de textos escritos. A sequência foi estruturada em oito encontros, contemplando: 1.Problematização inicial sobre “De onde vem os alimentos?; 2.Leituras de textos; 3.Atividades experimentais e investigativas: plantio de feijão e fotossíntese; trabalho com dados e variáveis; 4.Vivências lúdicas, como o jogo da cadeia alimentar; 5.Registros individuais e coletivos; 6.Discussões sobre a temática, e; 7.Situação de fechamento com a construção de bonecos de alpiste. Selecionamos registros de uma turma das professoras participantes da pesquisa, a fim de analisá-los e discuti-los.
image/svg+xmlNuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 33, e022018, jan./dez. 2022. e-ISSN: 2236-0441 DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v33i00.94969 A categoria “Registros de hipóteses” ficou evidente na escrita produzida das crianças após a montagem do experimento de plantio de feijões. As variáveis utilizadas pela professora para a organização da atividade investigativa foram: 1ª condição: plantio da semente com oferta de água e sol; 2ª condição: plantio da semente com oferta de sol (sem água); 3ª condição: plantio da semente sem água e sol (caixa fechada). As Figuras 1 e 2 apresentam as hipóteses e as narrativas/discursos fornecidos pelas crianças na ocasião. Figura 1 Registro da criança “A”contendo as hipóteses do experimento elaborado: Variáveis “Eu acho que ela irá crescer e ficar muito linda. Só morrerá de altura porque ela fica grande cai e quebra.“Acho que ela não viverá, pois precisa de água para sobreviver.“Essa planta morrerá em quase dois dias. Porque ela precisa de água e sol para sobreviver.Fonte: Dados de pesquisa (2018)