DE UM PROCESSO GLOBAL DO CAPITAL, A DINÂMICA TERRITORIAL EXPANSIVA DA FRONTEIRA NO OESTE DA BAHIA

Tássio Barreto Cunha

Resumo


Resumo: O controle do trabalho, da propriedade e da água, historicamente foram cruciais para o capital manter seus processos acumulativos e expansionistas. A escolha do Oeste da Bahia enquanto recorte do campo nacional promotor dessa lógica, expressa essa ideia. Alicerçada diante das características naturais e políticas econômicas fundadas historicamente nesse território. O trabalho precário, os grandes latifúndios em terras planas, com pluviometria regular e uma grande rede hídrica superficial e subterrânea, são condicionantes basilares para tal desenvolvimento. Fomentado diretamente pelo Estado seguidor dos ditames burgueses, com o Sistema Nacional de Crédito Rural – SNCR e a abertura do capital externo. Responsáveis diretamente por controlar a maior parcela da cadeia produtiva, agentes construtores da fronteira agrícola e os recordes de safras, seguidos por uma constância de degradação da natureza e do trabalho.

 


Texto completo:

PDF


A Pegada está indexada em:

LATINDEX - http://www.latindex.unam.mx/

Sumarios.org - http://sumarios.org/

Scientific Indexing Services (SIS) - http://sindexs.org/

GEODADOS - http://geodados.pg.utfpr.edu.br/

Capes Periódicos - http://www.periodicos.capes.gov.br/

e-Revistas - http://www.erevistas.csic.es/

Directory of Open Acess Journals (DOAJ) - http://doaj.org/

ISSN: 1676-3025