A dimensão afetiva na experiência urbana: os sentidos do habitar na cidade contemporânea

Rizia Mendes Mares

Resumo


No período contemporâneo, verificamos uma ênfase na difusão de imaginários urbanos, pautados em modo distintivo e fragmentário de viver a cidade tendo os muros como delimitador da sociabilidade urbana, a qual passa a realizar-se em enclaves. O que, em nosso entendimento, revela um conjunto de fatores imbuídos em uma produção prática do espaço como padrões comportamentais, relações afetivas, de valor e status social que aprofundam as desigualdades socioespaciais. Com o presente texto objetivamos refletir sobre a experiência urbana na contemporaneidade lida através das emoções e afetividade incorporadas e localizadas no contexto da vida cotidiana. Para tanto, a proposta metodológica direciona-se no sentido de tornar cognoscível as representações e simbolismos dessa experiência no espaço urbano com o uso de mapas afetivos. Uma metodologia baseada em mapas abstratos e metáforas como recursos apreensão dos afetos. O debate aqui proposto ancora-se, sobretudo, em uma revisão bibliográfica e nos indica que a experiência urbana a partir dos novos habitats, expressa a desigualdade presente na realidade brasileira e mostra-se como uma forma de enfraquecimento da experiência urbana, condição que pode ser apreensível a partir de uma metodologia que privilegie a afetividade na dinâmica socioespacial permitindo uma leitura mais subjetiva da experiência urbana.


Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, M. de. Poesia completa. São Paulo: LeYa, 2013, 480p. (1ª. Reimpressão).

BATISTA, V. M. A arquitectura do medo e a estética da escravidão. In: O medo na cidade do Rio de Janeiro. Dois tempos de uma história. Rio de Janeiro: Editora Revan. “Prefácio”, Loïc Wacquant, 2003, p.203-221.

BOMFIM, Z. Á. C. Afetividade e ambiente urbano: uma proposta metodológica pelos mapas afetivos. In: PINHEIRO, J. de Q.; GÜNTHER, H. (Orgs). Métodos de pesquisa nos estudos pessoa-ambiente. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008, p. 253-280.

BONDI, L.; DAVIDSON, J.; SMITH, M. Introduction. Geography's 'emotional turn'. In: BONDI, Liz; DAVIDSON, Joyce; SMITH, Mick. (eds). Emotional Geographies. Aldershot, England: Ashgate, 2005, pp. 1–17.

CALDEIRA, T. P. do R. Cidade de muros. Crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Ed. 34. “Introdução”, pp. 9-12; Ch. 1: “Falando do crime e ordenando o mundo”, 2000, p. 27-39.

DURÁN, M. A. La ciudad compartida: conocimiento, afecto y uso. Madri: Ediciones SUR, 2008, 206p.

EGLER, T. T. C. Interação social no espaço urbano: encontro ou confronto. In: RIBEIRO, M. C. T. (Org.). Repensando la experiencia urbana de América Latina: cuestiones, conceptos y valores. Buenos Aires: CLACSO, 2000, p.205-220.

HARVEY, D. A justiça social e a cidade. São Paulo: HUCITEC, 1980.

HUTTA, Jan Simon. Geographies of Geborgenheit. Beyond feelings of safety and the fear of crime. In: Environment and Planning D27 (2), 2009, p. 251–273

KOCH, M. R. Condomínios fechados: as novas configurações do urbano e a dinâmica imobiliária.In: Indic. Econ. FEE, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 99-116, fev. 2008. Disponível: < https://revistas.fee.tche.br/index.php/indicadores/article/viewFile/1582/1951>. Acesso em 19/06/2018.

LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ártica, 1991.

LEFEBVRE, H. La production de l’espace. 4. ed. Paris: Éditions Anthropos, 2000.

LINDÓN, A. O bunker house e a desconstrução da cidade. Liminar. In: Estudos Sociais e Humanistas, vol. IV, não. 2 de dezembro de 2006, pp. 18-35 Centro de Estudos Superiores do México e da América Central San Cristóbal de las Casas, México.

MARCUSE, P. Cities in quarters. In: Bridge, G.; Watson, S. (orgs.). A companion to the city. Oxford: Blackwell Publishers, 2003.

SINGER, P. O uso do solo urbano na economia capitalista. MARICATO, Ermínia. (Org.). A produção capitalista da casa (e da cidade) no Brasil industrial. São Paulo: Editora Alfa-Omega, 2ª edição, 1982, p. 21-38.

SOARES, P.R. Cidades médias e aglomerações urbanas: a nova organização do espaço regional no Sul do Brasil. In: SPOSITO, E.S.; SPOSITO, M.E.B.; SOBARZO, O. (Org.). Cidades médias: produção do espaço urbano e regional. São Paulo: Expressão Popular, 2006. p.347 364.

SPOSITO, M. E. B. GÓES, E. M. Espaços fechados e cidades: insegurança urbana e fragmentação socioespacial. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

SPOSITO, M. E. B. Urbanização da sociedade e novas espacialidades urbanas. OLIVEIRA, Márcio Piñon de.; COELHO, Maria Célia Nunes.; CORRÊA, Aureanice de Mello. (et al). O Brasil, a América Latina e o mundo: espacialidades contemporâneas. Rio de Janeiro: Lamparina-FAPERJ, Anpege, 2008, v.II, p. 61-72.

VEIGA, D. Notas para una agenda de investigacíon sobre processos emergentes en la sociedad urbana. In: RIBEIRO, M. C. T. (Org.). Repensando la experiencia urbana de América Latina: cuestiones, conceptos y valores. Buenos Aires: CLACSO, 2000, p.19-33.




DOI: https://doi.org/10.35416/geoatos.v5i12.6555

Direitos autorais 2019 Geografia em Atos (Online)

 ISSN: 1984-1647

E-mail para contato: geoatos.editorial@gmail.com

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.

  

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

  BASE LogoResultado de imagem para PERIÓDICOS CAPESResultado de imagem para sumarios.orgThumbnailResultado de imagem para redib

 
 Resultado de imagem para DRJI                                                    Resultado de imagem para MIAR INDEXADORResultado de imagem para latindexResultado de imagem para google scholar Resultado de imagem para J4F INDEXADOR