A escala geográfica e a produção de alimentos:da dependência à construção ativa da emancipação

Valmir José de Oliveira Valério

Resumo


Este artigo tem como substrato os conceitos de escala geográfica, campesinato e soberania alimentar, com os quais busco demonstrar a importância do controle da escala na conquista da autonomia e do fortalecimento da família camponesa. Emancipado de uma perspectiva puramente matemática, o conceito de escala permite aprofundar as reflexões para além da abordagem cartográfica de relações de medidas e proporções para considerar diferentes dimensões intrínsecas aos fenômenos socioespaciais. Nesse sentido, o debate da escala pressupõe considerá-la a partir das relações sociais responsáveis pela sua materialização, ou seja, a escala como um constructo fundamentalmente social. Dessa maneira, quero demonstrar como o campesinato, por meio da produção ativa da escala, pode acionar variadas estratégias de produção e transporte para ampliar as escalas de comercialização da produção, superar a dependência em relação aos atravessadores e, assim, estabelecer relações de proximidade com base nos princípios da soberania alimentar, sobretudo em relação à produção e distribuição nas escalas local e regional.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35416/geoatos.v3i8.5840

Direitos autorais 2018 Geografia em Atos (Online)

 ISSN: 1984-1647

E-mail para contato: geoatos.editorial@gmail.com

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.

  

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

  BASE LogoResultado de imagem para PERIÓDICOS CAPESResultado de imagem para sumarios.orgThumbnailResultado de imagem para redib

 
 Resultado de imagem para DRJI                                                    Resultado de imagem para MIAR INDEXADORResultado de imagem para latindexResultado de imagem para google scholar Resultado de imagem para J4F INDEXADOR