A EDUCAÇÃO DO CAMPO COMO LUTA DO MST: O CASO DA ESCOLA SÃO JUDAS EM RIO BRILHANTE (MS)

lara dalperio buscioli, Guilherme Matos de Oliveira

Resumo


A educação do campo tem como proposta fazer com que o educando tenha uma análise crítica, autonôma e resgate da identidade camponesa. Ela deve ser pensada em conjunto com a luta pela terra e pela permanencia no campo através dos assentamentos, ganhando protagonismo nas lutas dos movimentos socioterritoriais no Brasil, como é o caso do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Com isso, o trabalho teve como objetivo apresentar estas questões na escola rural São Judas em Rio Brilhante no Mato Grosso do Sul que ao longo dos anos busca contribuir para uma educação emancipatoria dos educandos, confrontando a nível imaterial alguns projetos encabeçados pelo grupo francês Louis Dreyfus Commodities: o projeto Campo Limpo e Liga da Paz voltados para o ensino fundamental e médio debatendo sobre o meio ambiente, assim os educadores militantes do MST desmitificam algumas ideias com atividades de horta e reciclagem mostrando a real importância do meio ambiente. Alcançamos tais resultados partindo de três metodologias de pesquisa: pesquisa bibliográfica, entrevistas e observação participante.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Geografia em Atos (Online)

 ISSN: 1984-1647

E-mail para contato: geoatos.editorial@gmail.com

   Indexadores: (Em breve)