O CONSUMO DA NATUREZA NO NOVO PADRÃO DE OCUPAÇÃO URBANA

Mariana Ferreira Cisotto, Antonio Carlos Vitte

Resumo


O presente trabalho é uma análise a cerca do importante processo de urbanização, especificamente no padrão de ocupação dispersa ou difusa, debatendo a relação sociedade-natureza, questionando o jogo de forças entre o natural e o social na constituição do espaço geográfico atual. Identificando e analisando como se dá a incorporação de áreas verdes urbanas e com quais as intencionalidades. Buscando compreender de que forma a natureza nas cidades deixa de ser uma necessidade social, perdendo seu significado real, transformando-se em objeto de consumo. Tratamos da dispersão urbana e a preservação de áreas verdes detalhando especificamente da questão da valorização urbano ambiental, tratando a natureza como nova raridade. A teoria da urbanização dispersa e a reflexão da relação entre a cidade e a natureza, com a discussão da natureza em seu sentido de nova raridade e como ela é apropriada pelo mercado imobiliário, com a mercantilização da natureza, pela valoração da natureza estética, pela valoração da biodiversidade e os processos de valoração da terra urbana e noção de qualidade ambiental que se cria.

Texto completo:

Artigo


DOI: https://doi.org/10.35416/geoatos.v1i10.221

Direitos autorais

 ISSN: 1984-1647

E-mail para contato: geoatos.editorial@gmail.com

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.

  

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

  BASE LogoResultado de imagem para PERIÓDICOS CAPESResultado de imagem para sumarios.orgThumbnailResultado de imagem para redib

 
 Resultado de imagem para DRJI                                                    Resultado de imagem para MIAR INDEXADORResultado de imagem para latindexResultado de imagem para google scholar Resultado de imagem para J4F INDEXADOR