A EXPERIÊNCIA DA AMÉRICA E O DECLÍNIO DO SABER GEOGRÁFICO MEDIEVAL

Fabrício Pedroso Bauab

Resumo


As informações geográficas na Idade Média pouco provinham da experiência. Havia uma forte tendência à intertextualidade na construção de informações acerca do mundo. Autores importantes como Isidoro de Sevilha e Jean de Mandeville, demonstraram um conhecimento geográfico construído mediante referências textuais. Além disso, destaca-se o caráter alegórico e simbólico resultante da ênfase religiosa em todas as esferas do saber. Contudo, a descoberta da América veio a trazer uma necessária revisão em várias das tradições e européias. No âmbito geográfico, o que fora escrito não mais explicava os novos conteúdos empíricos. Neste aspecto, os primeiros escritos sobre o “novo continente” revelam uma dificuldade em se desvincular dos erros da tradição textual – como apontam os diários de Colombo – e, também, uma rica e conflituosa construção de novos referenciais de interpretação – como aparece na obra do padre espanhol José de Acosta.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formação.v1i16.857

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio