AS ESCALAS DE ANÁLISE NA GEOGRAFIA DOS ESTUDOS AMBIENTAIS

Alyson Bueno Francisco

Resumo


Neste texto são apresentadas reflexões teóricas sobre as escalas de análise nos estudos geográficos, com enfoque às questões de cunho ambiental. Inicialmente são relatadas as concepções sobre escala temporal (seta, ciclo e espiral), e posteriormente são apresentados os níveis escalares em representação cartográfica e nos estudos experimentais, ao citar exemplos de propostas de alguns autores da Geografia: Monteiro (2000), Ross (1992), Suertegaray (2002), Zacharias (2006) entre outros. Neste sentido, considera-se fundamental a noção de escala para as análises espaciais dos fenômenos, cuja atuação do geógrafo exige várias formas de representação dos fenômenos analisadas nos trabalhos técnicos, acadêmicos e de ensino.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formacao.v2i18.714

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio