FRONTEIRA: NATUREZA E CULTURA

Celso Donizete Locatel

Resumo


O objetivo central deste trabalho é buscar compreender dois momentos distintos do processo de expansão da fronteira, quais sejam, a expansão da fronteira demográfica, que se amplia com o deslocamento da frente de expansão, e da fronteira econômica, que se alarga com a frente pioneira, buscando entender os processos e as relações que aí se estabelecem, para entender as concepções de natureza e cultura aí existentes. Para essa análise, considerou-se como recorte o processo de ocupação da região de Jales, onde os vários momentos do processo de incorporação da região à economia de mercado apresentam muitos elementos ilustrativos dos conflitos existentes na fronteira, assim como dos vários elementos que a compõe. Pode-se verificar também que a produção da natureza está diretamente associada com a lógica do sistema cultural de cada grupo e com a percepção que estes tem de si e da própria natureza, o que nos remete a considerar que não se pode conceber a existência de culturas superiores e inferiores. Contudo, o que predomina nas relações na fronteira é uma visão dualista, tanto da natureza, entendendo-a como natureza exterior e natureza universal, como também de natureza e cultura.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formação.v2i13.632

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio