FRAGILIDADE AMBIENTAL AOS PROCESSOS EROSIVOS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: O CASO DO RIBEIRÃO NEGRINHA – OSVALDO CRUZ/SP

Everton Henrique Gonçales Cardoso, Isabel Cristina Moroz-Caccia Gouveia

Resumo


A presente pesquisa identificou os níveis de fragilidade ambiental do alto curso da bacia hidrográfica do Ribeirão Negrinha (Osvaldo Cruz e Parapuã/SP) aos processos erosivos e, mediante os resultados obtidos, promoveu ações de educação ambiental. Com base em Ross (1994), a aferição da fragilidade resultou do cruzamento dos subprodutos cartográficos curvatura da superfície, declividade do terreno, tipos de solo e uso e cobertura da terra. A produção do mapa de fragilidade foi realizado no SIG ArcGIS 10.3, com validação por meio de atividades de campo em dezenove pontos da bacia. O estudo revelou um ambiente com predominância das fragilidades média e forte, presentes em 49,81% e 43,25% da área, respectivamente. A identificação da fragilidade ambiental da bacia hidrográfica aos processos erosivos deve subsidiar a adoção de medidas que promovam manejos mais adequados do uso da terra, seja para a atividade agropecuária e para a expansão da urbanização, seja para a definição de áreas protegidas.

Texto completo:

PDF

Referências


BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. São Paulo: Ícone, 1990.

CACCIA GOUVEIA, I.C.M. Da originalidade do sítio urbano de São Paulo às formas antrópicas: aplicação da abordagem da Geomorfologia Antropogênica na Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí, na Região Metropolitana de São Paulo. São Paulo, 2010. Tese (Doutorado em Geografia). FFLCH. USP.

FEPAP; CESP. Programa de Controle de Erosão e de Assoreamento na Área de Influência do Reservatório da UHE Sérgio Motta. Botucatu: FEPAF, 2000.

Guerra, T. A.; Dicionário Geológico e Geomorfológico. 8. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1993.

GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S. da.; BOTELHO, R. G. M. (org). Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

MONTEIRO, C.A.F. Geossistemas: a história de uma procura. São Paulo: Contexto/GeoUSP. (Novas abordagens 3). 2000.

Nunes, J.O.R. Mapeamento Geomorfológico do perímetro urbano de Presidente Prudente – S.P. 2005. In: Anais da 57ª Reunião Anual da SBPC. Fortaleza.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia, Ambiente e Planejamento. São Paulo:Editora Contexto, 1990.

ROSS, J. L. S. Análise empírica e fragilidade dos ambientes naturais antropizados. Revista do Departamento de Geografia, nº 8. São Paulo: 1994, p. 65-74.

SÃO PAULO. Lei nº 15.864, de 08 de julho de 2015.

SÃO PAULO. Lei nº 9.866, de 28 de novembro de 1997.

SÃO PAULO, Lei nº 16.337, de 14 de dezembro de 2016.

SPÖRL, C.; ROSS, J. L. S. Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelos. São Paulo: GEOUSP - Espaço e Tempo, 2004.

TOMINAGA, L. K.; SANTORO, J.; AMARAL, R. Desastres naturais: conhecer para previnir. 1ª Ed. São Paulo: Instituto Geológico, 2009.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE - Diretoria Técnica – SUPREN, 1977.

VELOSO, A.J.G. Importância do Estudo das Vertentes. GEOgraphia. V.8, n.8.2002.

VENTURI, L. A. B. Recurso Natural: A construção de um conceito in GEOUSP – Espaço e Tempo, nº 20. São Paulo: FFLCH/USP, 2006, p.9-17.

VITTE, A. C.; MELLO, J. P. de. Considerações sobre a erodibilidade dos solos e a erosividade das chuvas e suas consequências na morfogênese das vertentes: um balanço bibliográfico. in Climatologia e Estudos da Paisagem. Rio Claro – vol. 2 – nº 2 – julho – dezembro/ 2007.




DOI: https://doi.org/10.33081/formacao.v26i49.5562

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio