OS SUJEITOS NA CENA: ANÁLISE DAS TEMPERATURAS DOS ALVOS URBANOS DE PRESIDENTE PRUDENTE/SP - INTERPRETAÇÕES A PARTIR DA ROTINA DE TRABALHO DE VARREDORAS(ES) DE RUAS

Lidiana Pinho Mendes, José Tadeu Garcia Tommaselli

Resumo


Com o objetivo de compreender as relações clima, trabalho e saúde, o presente artigo procura caracterizar Presidente Prudente/SP ao que diz respeito às suas características climáticas, bem como, interpretar esta realidade a partir de uma rotina de trabalho marcada pela exposição aos elementos atmosféricos, varrição pública. Para isso, recorreu-se a referenciais teóricos que discutem sobre clima urbano, clima urbano de Presidente Prudente/SP e bibliografias que desenvolvem discussões transversais acerca da vivência desigual do clima. Entrevistas também foram realizadas com diferentes sujeitos envolvidos com a atividade de varrição da cidade. Além disso, foram elaborados mapas de temperaturas absolutas a partir de sensoriamento remoto, para todo o ano de 2017. Buscou-se desenvolver uma reflexão que problematiza as temperaturas dos alvos urbanos e o significado dessas variáveis para as(os) varredoras(es) de ruas, que vivem o intra-urbano e experimentam estas temperaturas cotidianamente.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M. C. C. T. O clima urbano de Presidente Prudente – SP. Tese de Doutorado, USP, São Paulo, 2000.

____________ Teoria e método para o estudo das ilhas de calor em cidades tropicais de pequeno e médio porte. Tese de Livre Docência em “Climatologia Geográfica, UNESP, Presidente Prudente/SP, 2017, 178p.

AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. 12º edição, Editora Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 2007.

BAPTISTA, G. M. M. Sensores imageadores na faixa do termal (8-14µm). In: Org. MENESES, P. R; ALMEIDA, T. Introdução ao processamento de imagens de sensoriamento remoto. CNPQ – UNB, Brasília, 2012, 47 – 56p.

BRASIL. Decreto-Lei n. 5.452, de 1.º de maio de 1943. Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: .

COSTA, F. B. Homens invisíveis: Relatos de uma humilhação social. Editora Globo, São Paulo, 2004.

FERNÁNDEZ GARCÍA, F. Manual de climatologia aplicada – Clima, médio ambiente y planificación. Editorial Sintesis, Madrid, 1996, 285p.

LAMBERTS, R; XAVIER, A. A. P. Conforto e stress térmico. Laboratório de Eficiência Energética em Edificações, UFSC, Santa Catarina, 2008.

MEDEIROS, G. C. S. Caracterização da exposição ocupacional ao calor em uma salina no município de Porto Mangue/RN. Dissertação de mestrado, FUNDACENRO, São Paulo, 2014, 94 p.

MONTEIRO, C. A. F. Teoria e clima urbano um projeto e seus caminhos. In: MONTEIRO, C. A. F; MENDONÇA, F. Clima urbano. Editora Contexto – São Paulo, 1976.

SANT’ANNA NETO, J. L. Clima e organização do espaço. Boletim de geografia, (119-131), 1998.

____________; RAMPAZZO, C. R. Geoindicadores urbanos para o estudo dos processos termodinâmicos do clima das cidades de pequeno e médio porte. In: Clima e Gestão do território, Org: SANT’ANNA NETO, J. L.; AMORIM, M. C. C. T; SILVA, C. A. Clima e gestão do território. Paco editorial, Jundiaí, SP, 2016, p. 7 – 32.

____________; TOMMASELLI, J. T. G. O tempo e o clima de Presidente Prudente. 1ºedição Presidente Prudente: FCT UNESP, 2009.

SILVA, J. V. R. Invisibilidade social e saúde do trabalhador: Dinâmica territorial do trabalho na coleta de lixo domiciliar urbano em Presidente Prudente – SP. Dissertação de mestrado em geografia, FCT/UNESP, 2016.

WUNSCH, D. S; MENDES, J. M. R. A construção social da invisibilidade das doenças e mortes relacionadas ao trabalho. In: ALVES, G; AMARAL, A. L. V; CHAPADEIRO, B. A Hybris de Saturno – Precarização do trabalho Saúde do trabalhador e invisibilidade social. Projeto Editorial Praxis, São Paulo 2015.




DOI: https://doi.org/10.33081/formacao.v26i47.5541

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio