QUEM SÃO AS MULHERES ENCARCERADAS NA PENITENCIÁRIA ESTADUAL FEMININA DE RONDÔNIA? UMA ANÁLISE DE GÊNERO SOBRE O PERFIL DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA FEMININA

Hellen Virginia da Silva Alves

Resumo


O sistema carcerário brasileiro apresenta intensas desigualdades de gênero que acentuam a ineficácia de sua função ressocializadora e intensificação da função punidora. O espaço carcerário feminino, apesar de abrigar mulheres, não atende às demandas dessa população e a sociedade nem sempre conhece essa realidade. Ao pensar as demandas que são regionalizadas, essa lacuna acentua-se. Conhecer o perfil socioeconômico das mulheres encarceradas é uma forma de pensar políticas públicas que sejam de fato eficazes às suas realidades e prepara-las para a vida fora do cárcere e distante da criminalidade. Com o objetivo de conhecer as características e necessidades das destas mulheres, realizou-se pesquisa de campo entre as mulheres que estão encarceradas na Penitenciária Estadual Feminina de Rondônia – PENFEM. Através da aplicação de questionário semiestruturado composto por doze perguntas foi possível criar um perfil socioeconômico preliminar destas mulheres e analisar se a realidade por elas vivenciadas neste espaço possui alguma relação com as questões de gênero. Os resultados apontam que o perfil preliminar elaborado está em consonância com o perfil nacional da população carcerária feminina e que o espaço destinado à estas mulheres reflete a ideologia patriarcal e os preconceitos de gênero que nem sempre são percebidos pelas outras pessoas que estão fora deste espaço, revela ainda que o Estado reflete tais crenças ao atribuir à estas mulheres o papel secundário e muitas vezes invisibilizado nas políticas públicas destinadas à população carcerária.  

 

Palavras-chave: Perfil socioeconômico; População carcerária feminina; Gênero; PENFEM; Políticas públicas.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. CONGRESSO NACIONAL. Lei n° 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução PENAL.

BRAUNSTEIN, Helio Roberto. Mulher encarcerada: trajetória entre a indignação e o sofrimento por atos de humilhação e violência (Dissertação de Mestrado). São Paulo: Departamento de Educação da USP. São Paulo, 2007. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/.../publico/DissertacaoHelioRobertoBraunstein.pdf

CARVALHO FILHO, Luís Francisco. A prisão. São Paulo: Publifolha, 2002.

DENZIN, Norman K. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Editoras Vozes, 40° Edição, 2012.

______________. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

INFOPEN MULHERES. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Departamento Penitenciário Nacional. Ministério da Justiça. 2014.

LIMA, Nísia Trindade. SÁ, Dominichi Miranda de. Roquette-Pinto: ciência e humanismo no Brasil do século XX. ANPUH – XXIII Simpósio Nacional de História. Londrina, 2005. Disponível em: < http://anais.anpuh.org/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S23.1467.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2016.

MACHADO, Ana Elise Bernal, SOUZA, Ana Paula dos Reis, SOUZA, Mariani Cristina de. Sistema penitenciário brasileiro – origem, atualidade e exemplos funcionais. Revista do Curso de Direito da Faculdade de Humanidades e Direito, v. 10, n. 10, 2013 DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1094/rcd.v10n10p201-212, p.

MADEIRA, Lígia Mori. Reinserção social de ex-presidiários: levantamento sobre os programas públicos e privados de apoio a egressos no Brasil. 2005. Disponível em: file:///C:/Users/Usuario/Downloads/sbs2005_gt25_ligia_madeira.pdf.

MESTRE, Simone. LEITE, Taís. Olha, é de menor: A mídia na construção e difusão de estigmas sociais em torno dos adolescentes em conflito com a lei e suas famílias em Porto Velho-RO. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2016.

MINÁYO, M. C. de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

NASCIMENTO SILVA, Maria das Graças Silva. SILVA, Joseli Maria. Interseccionalidades, gênero e sexualidades na análise espacial. Ponta Grossa, Todapalavra, 2014.

SAFFIOTI, H. I. B. (2004). Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. Coleção Brasil Urgente.

SALLA, Fernando Afonso. O encarceramento em São Paulo: das enxovias à penitenciária do tempo. (Tese de Doutorado). São Paulo: Departamento deSociologia da FFLCH – USP. São Paulo, 1997. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/.../publico/TeseFernadoAfonsoSalla.pdf

SILVA, Fabiana Coelho da. AZEVEDO, Juliana de. ARAÚJO, Sueli. O estigma da mulher egressa: dificuldades de (re)inserção na sociedade e no mercado de trabalho. XII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VIII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2016.

SPOSITO, E. S. Geografia e Filosofia: Contribuição para o Ensino do Pensamento Geográfico, São Paulo: editora UNESP, 2003.

TUAN, Yi-Fu. Paisagens do medo. São Paulo: Editora Unesp,2005.




Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS









Apoio