FRAGILIDADE AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE CASTELO DO PIAUÍ, NORDESTE DO ESTADO DO PIAUÍ

Francílio de Amorim dos Santos

Resumo


O estudo objetivou caracterizar o quadro físico-natural e analisar a fragilidade ambiental no município de Castelo do Piauí, considerando-se variáveis biofísicas (declividade média (Dm), erosividade das chuvas (R), erodibilidade dos solos (K) e índice de vegetação ajustado ao solo (SAVI)), com o propósito de subsidiar o planejamento ambiental. Empregou-se metodologia quantitativo-qualitativa e natureza descritiva, com levantamento bibliográfico e cartográfico para obtenção de dados das variáveis biofísicas e manuseio via SIG QGIS. Foi possível identificar que em 71% da área predomina a classe de alta a muito alta fragilidade ambiental, devido à ocorrência de relevo forte ondulado a montanhoso, baixa a moderada erosividade, presença de solos jovens e pouco desenvolvidos e cobertura vegetal com baixa capacidade de proteção. Enquanto que 29,1% da área exibe fragilidade ambiental moderada, oriunda de relevo plano a suave ondulado, baixa a moderada erosividade e erodibilidade dos solos e cobertura vegetal com moderada a alta atividade fotossintética.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, R.B.; GOMES, J.R.C. (Org.). Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea, estado do Piauí: diagnóstico do município de Castelo do Piauí. – Fortaleza: CPRM - Serviço Geológico do Brasil, 2004.

BORATTO, I.M.P.; GOMIDE, R.L. Aplicação dos índices de vegetação NDVI, SAVI e IAF na caracterização da cobertura vegetativa da região Norte de Minas Gerais. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, XVI, Foz do Iguaçu - PR, Anais... Foz do Iguaçu: SBSR, 2013, p.7.345-7.352.

BRASIL. Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento: de acordo com a Resolução nº 44/228 da Assembléia Geral da ONU, de 22-12-89, estabelece uma abordagem equilibrada e integrada das questões relativas a meio ambiente e desenvolvimento: Agenda 21. – Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 1995.

BRAZ, A.M.; ANDRADE ÁGUAS, T.; GARCIA, P.H.M. Análise de índices de vegetação NDVI e SAVI e Índice de Área Folear (IAF) para a comparação da cobertura vegetal na bacia hidrográfica do córrego ribeirãozinho, município de Selvíria–MS. Revista Percurso, v. 7, n. 2, p. 5-22, 2015.

CPRM - Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Mapas estaduais de geodiversidade: Piauí. Rio de Janeiro: CPRM. 2006. Documento cartográfico em arquivo vetorial. Disponível em . Acesso em janeiro de 2014.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J.S.; HERNANDEZ FILHO, P.; FLORENZANO, T.G.; DUARTE, V.; BARBOSA, C.C.F. Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento Aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao Ordenamento Territorial. São José dos Campos: INPE, 2001.

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Sistema brasileiro de classificação de solos. – Rio de Janeiro: EMBRAPA-SPI, 2009.

GUAPYASSÚ, M.S.; HARDT, L.P.A. Avaliação de fragilidade ambiental: uma nova abordagem metodológica para unidades de conservação de uso indireto em áreas urbanas. Floresta e Ambiente, vol. 5, n. 1, p. 55-67, jan./dez. 1998.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Malha municipal digital do Brasil: situação em 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em . Acesso em 10 de abril de 2017.

INDE - Infraestrutura Nacional de Dados Especiais. Mapa de Solos da Folha SB.24 - Jaguaribe. Escala 1:250.000. Disponível em: . 2014. Acesso em 27 de novembro de 2015.

LAL, R.; ELLIOT, W. Erodibility and erosivity. In: LAL, R. Soil Erosion: research methods. Second Edition. p.180-208. Ankeny: Soil and Water Conservation Society, 1994.

LOMBARDI NETO, F.; MOLDENHAUER, W.C. Erosividade da chuva: sua distribuição e relação com perdas de solos em Campinas - SP. Bragantina, Campinas, v. 51, n. 2, p.189-1996, 1992.

OLIVEIRA, J.G.B.; SALES, M.C.L. Usuais: programas para uso em análise ambiental. Revista Equador (UFPI), Vol. 5, n. 2, p.36-60, Janeiro/Junho, 2016.

PINHEIRO, R.A.B. Análise do processo de degradação/desertificação na bacia do Riacho Feiticeiro, com base no DFC, município de Jaguaribe-Ceará. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA). Fortaleza - CE, 2011.

ROSS, J.L.S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo: FFLCH/USP, n. 8, p.63-74, 1993.

SANTOS, F.A.; AQUINO, C.M.S. Análise da cobertura vegetal e uso das terras em unidades geoambientais, nos municípios de Castelo do Piauí e Juazeiro do Piauí, Nordeste, Brasil. Geografares, n. 21, p. 79-97, 2016a.

________. Balanço hídrico climatológico dos municípios de Castelo do Piauí e Juazeiro do Piauí, Nordeste, Brasil. Revista Eletrônica Geoaraguaia, Barra do Garças-MT, v.6, n.1, p.30-56. Janeiro/julho. 2016b.

________. Mapeamento das unidades geoambientais do município de Castelo do Piauí: subsídio ao planejamento ambiental. Revista OKARA: Geografia em debate, v.9, n.3, p.428-449, João Pessoa - PB. 2015.

SPÖRL, C.; ROSS, J.L.S. Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelos. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, n.15, p.39-49, 2004.

TUCCI, C.E.M. Hidrologia: ciência e aplicação. Porto Alegre: Eds. da UFRGS e da USP. (Coleção ABRH de Recursos Hídricos, v. 4). 1993. 952.p.

USGS - United States Geological Service (Serviço Geológico dos Estados Unidos). Earth Explorer - Collection - Landsat Archive. Disponível em . Acesso em 02 de agosto de 2016.

VIGANÓ, H.A.; BORGES, E.F.; ROCHA, W.J.S.F. Análise do desempenho dos Índices de Vegetação NDVI e SAVI a partir de imagem Aster. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, XV, Curitiba - PR. Anais... Curitiba: 2011, p.1828-1834.




Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS









Apoio