VANTAGENS COMPETITIVAS DO OLIGOPÓLIO CERVEJEIRO E A PERMANÊNCIA DE MICROCERVEJARIAS NO BRASIL

Silvia Cristina Limberger, César Augusto Ávila

Resumo


O objetivo deste trabalho é demonstrar como as empresas líderes e marginais do setor cervejeiro geram suas vantagens competitivas. As empresas líderes possuem vantagens relacionadas às economias de escala, ao passo que as microcervejarias preocupam-se com a inovação em produtos a partir do controle de uma fábrica enxuta em capital físico e humano, mas intensiva em conhecimento. Entretanto, a grande empresa também atua no segmento da microcervejaria, a qual depende das condições de expansão da grande empresa para manter seu mercado. Se a demanda for crescente acima da capacidade da empresa líder, a participação das pequenas empresas é mantida e até pode aumentar o número de empresas acompanhando o crescimento do mercado, mas se a acumulação interna das empresas bem-sucedidas empurrarem para a expansão além do que a demanda pode acompanhar, elas conquistarão uma parte da fatia do mercado ocupada pelas empresas marginais. A análise é guiada pela teoria da acumulação de capital em Marx que entende o modo de produção capitalista como um processo orgânico e evolutivo e desse modo, a formação de economias de oligopólio como uma tendência do próprio processo de desenvolvimento do capital. Nesse processo, a eficiência econômica é abordada por meio do pensamento schumpeteriano, que compreende o mercado como um ambiente de seleção e a seleção das inovações como a mais importante função socioeconômica dos mercados, sendo a dinâmica inovativa a principal estratégia da concorrência.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CERVEJA (CERVBRASIL). Anuário 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 de jan./2016.

BARAN, P. A. (1957): A Economia política do desenvolvimento. São Paulo: Abril Cultural (Edicão brasileira de 1984).

CHANDLER, A. (1962): Ensaios para uma teoria histórica da grande empresa. Fundação Getúlio Vargas (Edição brasileira de 1998/2000).

FREEMAN, C. (1974): A economia da inovação. São Paulo: Editora da Unicamp, (Edição brasileira de 2008).

HILFERDING, R. (1910): O capitalismo financeiro. São Paulo: Nova Cultural (Edição brasileira de1985).

JÚNIOR, O. C. et al. O setor de Bebidas no Brasil. Biblioteca digital do BNDES: BNDES, 40, pp.93-130, 2015.

LABINI, P. S. (1956): Oligopólio e progresso técnico. São Paulo: Nova Cultural (Edição brasileira de 1986).

LENIN, V. I. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia. São Paulo: Abril Cultural, 1899 (Edição brasileira de 1982).

LENIN, V. I. O imperialismo: fase superior do capitalismo. São Paulo: Centauro, 1916 (Edição brasileira de 2008).

MARX, K. (1867): O Capital: Crítica da Economia Política. V. 1, Livro Primeiro, 6 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira (Edição Brasileira de 1980).

MARX, K. (1885): O Capital: Crítica da Economia Política. V. 2, Livro Primeiro, 6 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira (Edição brasileira de 1980).

MARX, K. (1894): Nivelamento, pela concorrência da taxa geral de lucro. Preços e valores de mercado. Superlucro. In: O capital: O processo global de produção capitalista. V. 4, Livro Terceiro. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira (Edição brasileira de 1980).

PENROSE, E. (1959): A teoria do crescimento da firma. São Paulo: Editora da Unicamp (Edição brasileira de 2006).

PORTER, M. E. Estrategia competitiva: técnicas para el análisis de los sectores industriales y de la competencia. Madrid: Compañía Editorial Continental S. A. DE C. V., 1982.

POSSAS, M. Competitividade: fatores sistêmicos e politica industrial: aplicações para o Brasil. In: Estratégias empresariais na indústria brasileira: discutindo mudanças. Org: CASTRO, A. B.; POSSAS, M. L.; PROENÇA, A. Rio de janeiro: Forence Universitária, 1996.

POSSAS, M. Estruturas de mercado em oligopólio. São Paulo: Hucitec, 1987.

REVISTA EXAME. A guerra das periguetes no mercado de cervejas. 23/03/2014. Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1062/noticias/a-guerra-das-periguetes>. Acesso em: 15/mar./2016.

ROBINSON, J. (1978): Contribuições à economia moderna. Rio de Janeiro: Zahar (edição brasileira de 1979).

ROSENBERG, N. Por dentro da caixa-preta: tecnologia e economia. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2006.

SCHUMPETER, J. A. (1912): Teoria do Desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, credito, juro e ciclo econômico. 2 ed.. São Paulo: Nova Cultural (Edição brasileira de 1982).

SCHUMPETER, J. A. (1949): Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1949 (Edição Brasileira de 1984).

SEBRAE. Relatório de inteligência: Alimentos. Cervejas artesanais: potencial de crescimento do mercado. SEBRAE: São Paulo, Jun./, 2015.

STEINDL, J. (1952) Maturidade e estagnação no capitalismo americano. São Paulo: Abril Cultural (edição brasileira de 1983).

STEINDL, J. (1972). Pequeno e grande capital: problemas econômicos do tamanho das empresas. São Paulo: Hucitec (edição brasileira de 1990).

TEECE, D. J. As aptidões das empresas e o desenvolvimento econômico: implicações para as economias de industrialização recente. In: KIM, L.; NELSON, R. Tecnologia, aprendizado e inovação as experiências das economias de industrialização recente. São Paulo: Unicamp, 2005.

THE BARTH REPORTS. BARTH-HAAS GROUP. Disponível em: . Acesso em: 20/mar./2014.

VALOR ECONÔMICO. Concorrentes da Heineken vão ao CADE. 17/03/2017. Disponível em: . Acesso em: 16/mar./2017.




Revista Formação (Online). ISSN: 2178-7298. E-ISSN: 1517-543X

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS









Apoio