CENTRALIDADES SEGMENTADAS: OS SHOPPING CENTERS DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP

Luiz Henrique Mateus Lima

Resumo


Passando a fazer parte das cidades brasileiras entre as décadas de 1960 e 1970, os shopping centers se tornaram comuns no país com o passar dos anos, representando uma forma de afastamento das classes que dispõem de um maior poder aquisitivo visando manter à distância os “indesejados”, ou seja, das classes que vivem de uma renda inferior e com isso não tem condições de consumir em espaços de consumo com estrutura semelhante. Neste artigo, analisamos a centralidade gerada a partir dos quatro shopping centers – Riopreto Shopping, Plaza Avenida Shopping, Shopping Cidade Norte e Iguatemi Rio Preto – de São José do Rio Preto/SP, buscando revelar as articulações entre as escalas geográficas no âmbito da produção do espaço urbano, assim como entender as lógicas locacionais que orientam a implantação desses empreendimentos em cidades médias, buscando identificar sua relação com o segmento socioeconômico a que se direcionam e os impactos gerados inclusive na escala intraurbana. Com o primeiro shopping center sendo inaugurado em 1988, esse modelo de empreendimento impulsionou, em São José do Rio Preto, o desenvolvimento de novas centralidades na cidade, atraindo para o seu interior, consumidores não só locais, mas também oriundos de outras cidades inclusive de estados vizinhos a São Paulo.


Texto completo:

PDF


Revista Formação (Online). ISSN: 2178-7298. ISSN-L: 1517-543X