As redes e as interdependências assimétricas: a análise das Relações Brasil e Bolívia através das cidades gêmeas de Brasiléia, Epitaciolândia e Cobija

Leonardo Luiz Silveira da Silva

Resumo


Em um mundo de relações cada vez mais intensas entre países, sociedades e indivíduos, os estudos sobre a fronteira tem se tornado uma das temáticas mais relevantes no escopo de diversas disciplinas. As cidades gêmeas surgem, neste contexto, como pontos preferenciais de apoio para estes estudos, por terem um grande potencial de articulação das relações transfronteiriças, além de guardarem, em sua paisagem, aspectos de um funcionamento urbano híbrido que revela os aspectos de sua posição no espaço.  A conurbação formada pelas cidades de Brasiléia, Epitaciolândia e Cobija leva tais aglomerados urbanos à condição de cidades gêmeas. Esse agrupamento que é o tema deste artigo revela através de fluxos diversos que envolvem as redes educacional, hoteleira, de saúde, de transportes e do crime, profundas assimetrias que envolvem o seu papel de articulação das relações que envolvem o Brasil e a Bolívia. Os descompassos que foram levantados ainda colaboram para colar em dúvida a suposta capacidade das cidades gêmeas de posicionar como o microcosmo do conjunto das relações dos países que as abrigam.

 

Palavras-Chave: Cidades Gêmeas, conurbação, urbano, relações transfronteiriças, Brasil e Bolívia.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33081/formacao.v2i23.3912

Revista Formação (Online). ISSN: 1517-543X. E-ISSN: 2178-7298

 

 

INDEXAÇÕES E BASES BIBLIOGRÁFICAS

                         

Imagem relacionada

Apoio