FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES DA GESTÃO TERRITORIAL DA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IGAPÓ AÇU (AMAZONAS, BRASIL)

Marília Gabriela Gondim Rezende, Therezinha de Jesus Pinto Fraxe, Antonio Carlos Witkoski

Resumo


Este artigo descortina o processo de gestão territorial na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Igapó Açu, com vistas a elucidar os processos de tomada de decisão a partir da governança estabelecida. Para compreender essa gestão territorial, foi utilizada a Matriz FOFA, instrumento metodológico específico, que permitiu analisar as fortalezas, oportunidades, fraquezas, e ameaças da área de estudo. Além disso, foram aplicados formulários com os atores sociais envolvidos. Os dados foram sistematizados em forma de quadros e gráficos, representativos das informações coletadas. Pode-se inferir, após a análise dos dados, que a RDS Igapó Açu apresenta uma governança democrática, centrada na participação social dos diferentes atores envolvidos. A gestão territorial, modus operandi dessa governança, atua materializando a rede de articulação política, configurando e sendo configurada pela tessitura das relações de poder existentes. O desdobramento dessa governança democrática é o cumprimento das metas estipuladas no Plano de Gestão e a materialização da sustentabilidade.

Palavras-chave


Território; Unidades de Conservação; Governança

Texto completo:

PDF


Caderno Prudentino de Geografia - ISSN: 2176-5774

 

Associação dos Geógrafos Brasileiros - Seção Local Presidente Prudente/SP

Rua Roberto Simonsen, 305, Centro Educacional, CEP: 19.060-900, Presidente Prudente, São Paulo.