LEITURA(S) NO LIVRO DIDÁTICO: A NECESSIDADE DA AUTONOMIA E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR

Marcos Luiz Wiedemer, Vanísia Cristina Pereira Augusto

Resumo


Analisamos, neste artigo, as atividades de leitura proposta no livro didático, 6º ano, Português: uma língua brasileira, a partir da avaliação de concepções de leitura e dos horizontes de compreensão, bem como oferecemos uma classificação de questões de leitura. Em resumo, em relação às atividades de leitura, verificamos que não estão voltadas para desenvolvimento da capacidade de compreensão do aluno, já que abordam de maneira lânguida as atividades que exploram estratégias cognitivas, tais como a ativação de conhecimentos prévios, formulação e verificação de hipóteses e produção de inferências. Com isso, a análise evidencia a falta de consolidação do que é importante para o trabalho de compreensão da leitura. A partir dos resultados, reforçamos a nossa defesa em relação à importância do papel do professor frente ao livro didático, que deve ser permeada de autonomia e competência do docente. 

Palavras-chave


Leitura. Livro didático. Língua Portuguesa. Autonomia docente.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14572/nuances.v28i2.5078


Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Departamento de Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia/Unesp - Presidente Prudente.

Retornar ao portal de revistas
Menor Menor Médio Médio Maior Maior
Facebook Facebook Revista Nuances
Email nuances.fct@gmail.com