O PROCESSO DE SEMIFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO: REFLEXÕES POSSÍVEIS E NECESSÁRIAS NA RELAÇÃO INFÂNCIA E INDÚSTRIA CULTURAL.

Anilde Tombolato Tavares da Silva

Resumo


Este artigo insere-se num panorama contemporâneo que embasa a essência da infância permeada pela indústria cultural buscando problematizar sua correlação entre a produção de saberes culturais fragmentados que refletem na semiformação e numa pedagogia parcializada na escola contemporânea. Amparados pelo pensamento de Max Horkheimer  e Theodor Adorno buscamos lançar um olhar mais atento e crítico para a educação contemporânea que sob a égide da bandeira da formação do indivíduo crítico e transformador,  submete-se passivamente ao processo de semiformação e conformação diante dos encantos que se produzem através da Indústria Cultural. Desta forma, confrontar os desafios postos no campo da educação e da prática educativa, os limites e a possibilidade de se assumir a escola como espaço de produção do novo, do não dito, do não pensado em detrimento do que já está instituído.

Palavras-chave


Educação. Semiformação. Indústria Cultural. Infância.

Texto completo:

ARTIGO


DOI: https://doi.org/10.14572/nuances.v27i2.4324


Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Departamento de Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia/Unesp - Presidente Prudente.

Retornar ao portal de revistas
Menor Menor Médio Médio Maior Maior
Facebook Facebook Revista Nuances
Email nuances.fct@gmail.com